Manchetes do dia

Lenin e Trotsky sobre o assassinato de Rosa e Karl

"Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, já não estão neste mundo, mas continuam entre nós; Viveremos e lutaremos animados por suas idéias, sob a influência de sua grandeza moral" Trotsky


Lenin, na inauguração do monumento a Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht no primeiro aniversário de seus assassinatos, Praça de Petrogrado, 1920.

Na manhã de 19 de janeiro em Moscou, grupos de trabalhadores e unidades de soldados do Exército Vermelho se reuniram na Praça Sovetskaya. Lenin, Sverdlov, Lunacharsky e outros dirigiram-se à manifestação da sacada do prédio soviético de Moscou. No dia da morte de Rosa e Karl, 16 de janeiro de 1919, Lenin denunciou:

“Hoje a burguesia e os traidores sociais suspiram de alegria em Berlim; conseguiram-no assassinando Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo. Ebert e Scheidemann, que durante quatro anos levaram os trabalhadores ao massacre por causa da pilhagem da I Guerra Mundial, agora assumiram o papel de massacrar os líderes proletários. O exemplo da Revolução Alemã mostra que a "democracia" é apenas uma camuflagem para o roubo burguês e a violência mais selvagem. Morte aos açougueiros‼”

Cortejo fúnebre de Rosa Luxemburgo na Frankfurter Allee, Berlim, 1919.

Rosa, Liebknecht e Lenin
O legado dos 3Ls: Luxemburgo, Liebknecht e Lenin

Trotsky escreveu quando soube do assassinato dos dois líderes revolucionários:

"Acabamos de sofrer a maior perda. A dor nos oprime duas vezes. Dois dirigentes nos foram tirados, dois chefes cujos nomes ficarão para sempre inscritos no livro de ouro da revolução proletária: Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo.
"...Para nós, Liebknecht não é apenas um líder alemão, assim como Rosa Luxemburgo não é apenas uma socialista polonesa que esteve à frente dos trabalhadores alemães... Ambos são nossos irmãos; estamos ligados a eles por uma moral indissolúvel. Laços profundos.
(...) Hoje, camaradas, colocamos em prática os preceitos de Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo em nossa luta. Suas ideias nos inspiram quando, em uma Petrogrado sem pão e fogo, trabalhamos para construir um novo regime soviético. E quando nossos exércitos avançam vitoriosamente em todas as frentes, o espírito de Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo também os anima.  
(...) Cada um de nós terá o dever de explicar aos soldados como e por que morreram Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo, o que foram e o lugar que sua memória deve ocupar no espírito de cada soldado, de cada camponês. Esses dois heróis entraram para sempre em nosso panteão espiritual. 
(…) E agora, voltando ao espírito dos dois grandes defuntos, podemos dizer: Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, já não estão neste mundo, mas continuam entre nós; Viveremos e lutaremos animados por suas idéias, sob a influência de sua grandeza moral e juramos que, se chegar a nossa hora, morreremos de pé diante do inimigo, como vocês morreram, Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht!”.

Nenhum comentário