Manchetes do dia

Grã Bretanha: decadência explosiva na pátria do imperialismo neoliberal

 

No Cartaz, "trabalhar à distância, pagar mais e receber menos, NÃO OBRIGADO!"

Ian Donovan - Consistent Democrats, CD - Grã Bretanha

A Grã-Bretanha está caminhando para uma decadência explosiva do imperialismo neoliberal e do toryismo (referente ao Partido Conservador), incluindo o toryismo rosa dos blairistas atualmente manifestado pela cúpula do Partido Trabalhista de Keir Starmer. Tudo está se encaixando em uma tempestade perfeita para que a pressão da enorme crise capitalista esteja pesando sobre o regime político. Os fatores que pesam sobre essa crise são tanto internacionais quanto domésticos, uma confluência de vários fatores danosos resultantes do colapso do projeto capitalista neoliberal tanto em nível doméstico quanto internacional.

Os fatores internacionais são vários: a guerra na Ucrânia deu um grande impulso à inflação que já estava incorporada no sistema a partir da demanda reprimida resultante dos bloqueios do Covid-19. A inflação já estava começando a subir no final de 2021, muito antes de os imperialistas provocarem a Rússia a se defender enviando tropas para o Donbass para defender seu povo dos ataques nacionalistas-fascistas ucranianos financiados pela OTAN.

Taxa de inflação do preço das mercadorias e serviços no Reino Unido, de janeiro/1989 a julho/2022

O resultado na Grã-Bretanha é o maior ataque aos padrões de vida da classe trabalhadora e da classe média baixa já tentados pela classe dominante, pelo menos desde o século 19. Talvez o bombardeio de Hitler a Londres e outras cidades fosse comparável. A ameaça de quadruplicar as contas de combustível pagas por pessoas comuns, incluindo aposentados, é um desastre total e levará à desnutrição em grande escala e à morte por congelamento entre os trabalhadores comuns e os pobres, particularmente os aposentados idosos, se não for interrompido.

Este é um ataque muito maior à classe trabalhadora do que o Poll Tax de Thatcher, que foi principalmente um ataque às seções mais pobres da classe trabalhadora, aos desempregados, etc. (poderia ser chamado de Poll Tax da Ucrânia plus). A estimativa mais recente é que o teto de preço aumentará para impressionantes £ 6.000 por ano até abril de 2023, mais do que quadruplicando o preço. Este ataque, dos revendedores de energia privatizados, por sua vez, aos grandes extratores de petróleo e gás e transportadores internacionais, é um ataque frontal aos padrões de vida de toda a classe trabalhadora e também de boa parte da classe baixa da classe média. Como ilustração deste último, 500.000 pequenas empresas enfrentam a barreira dos aumentos dos preços da energia, e estima-se que o preço da cerveja nos pubs suba para £ 14 por litro até o final de 2023 se a inflação não for contida imediatamente.

A nova primeira-ministra, Liz Truss, está favorecendo os membros conservadores que estão prestes a colocá-la no cargo após o colapso do mandato de Boris Johnson. Desabafando contra os sindicatos e prometendo à turba conservadora que ela vai proibir ainda mais as greves e tentar criminalizar o sindicalismo.

Mas uma clara e crescente maioria do público apoia a onda de greves em desenvolvimento. Mick Lynch, o secretário-geral da RMT, afirmou que pode ser necessário convocar uma greve geral para repelir esses ataques à classe trabalhadora, que é a primeira vez que isso é seriamente levantado como uma possibilidade desde a crise de fechamento de poços de 1992.

A onda grevista não se limita às ferrovias: uma votação dos trabalhadores do Royal Mail em uma disputa sobre as condições de trabalho, separada da questão salarial, produziu 98,7 votos a favor da greve com 72% de comparecimento. Estivadores nas docas de contêineres de Felixstowe votaram por 92% a favor das greves e iniciaram uma greve de 8 dias no porto, que lida com cerca de metade do tráfego de contêineres do Reino Unido, em 20 de agosto.

Precisamos de uma greve geral na Inglaterra para enterrar o neoliberalismo no mesmo berço onde nasceu

A onda de greves atravessa todos os tipos de barreiras – os advogados já se envolveram em greves esporádicas e agora estão seriamente procurando organizar uma greve total. Ferroviários e outros já estão coordenando suas greves parciais – isso tem uma lógica que aponta claramente para uma greve geral que é desesperadamente necessária nesta situação. Mas a classe trabalhadora britânica está politicamente sem direção após a sabotagem da direção trabalhista de Jeremy Corbyn. E a direção central do Congresso Sindical traiu Greves Gerais no passado e não é confiável. A situação clama por uma nova direção revolucionária, ou pelo menos um partido político da classe trabalhadora eficaz. Nossos camaradas estão ativamente envolvidos na luta por ambos.

Nenhum comentário