Manchetes do dia

Velha guarda trotskista critica PSTU, vanguarda da "esquerda-OTAN" no Brasil


Mário Maestri e Enio Bucchioni criticaram em seus perfis de facebook a campanha pró-imperialista do PSTU, como a de José Maria, dirigente do PSTU (Liga Internacional dos Trabalhadores), segurando um cartaz pedindo armas para a Ucrânia. Desgraçadamente a posição do PSTU é maioria dentre os agrupamentos que se autoproclamam trotskistas.

Essas organizações atuam como caixa de ressonância da propaganda de guerra do imperialismo e sujam o legado do fundador do Exército Vermelho, construído para derrotar a frente militar de 14 países contra a URSS, coalizão imperialista precursora da OTAN.

Reproduzimos a postagem, apesar de nossas diferenças com Mário Maestri acerca da operação russa na Ucrânia. Mário defende "Rússia fora da Ucrâna! Otan, longe das fronteiras russas". Para nós, a operação é legítima e necessária para a contenção da marcha expansionista da OTAN após o golpe de estado de 2014 e que hoje tem como testa de ferro o governo ucrnonazi de Zelensky. Há oito anos criticamos ao governo Putin por ser retardatário tanto na operação que agora realiza quanto pelo não reconhecimento das repúblicas populares, o que permitiu que Kiev e a OTAN armassem aos mercenários dos batalhões nazistas, torturasse e reprimisse dirigentes sindicais e comunistas, matassem 14 mil pessoas e implantassem laboratórios de armas bacteriológicas por toda a Ucrânia. 

Consideramos progressista a crítica de ambos contra a corrente política que fizeram parte no passado, Mário pela Convergência Socialista e Ênio, desde a Liga Operária, Convergência Socialista, PSTU, Resistência/PSOL. Também nos solidarizamos com os camaradas diante da campanha de ataques covardes e histéricos por parte desse pseudo-trotskismo liberal que o imperialismo gosta. Segue então, a publicação dos dois camaradas:


Mário Maestri (4/4/2022):

"Desde antes da dissolução da URSS, a direção do PSTU-LIT tem estado ao lado do imperialismo - Afeganistão, RDA, URSS, Leste Europeu, Iugoslávia, Sérvia, Cuba, Síria, Líbia, Golpe na Ucrânia em 2014 ...Agora, apoiam o ataque da OTAN à Rússia. Sempre apoiando uma "revolução" fantasmagórica. O que resultou em desastres gravíssimos para aqueles Estados nacionais, suas populações e seus trabalhadores. E jamais houve uma autocrítica, após os sucessos. 
Um "erro" de quatro décadas, não é um "erro". É o registro da maturação de uma nova qualidade social e política. Qual a base social desse apoio político contínuo à contrarrevolução. Há já colaboração material?"

Seguem dezenas de comentários de apoio a publicação de Mário e alguns que seguem a linha envergonhada "esquerda-OTAN" para reclamar. Um dos comentários de apoio os responde: "Mário Maestri concordo plenamente contigo. Como é que apoiam a Ucrânia ao mesmo tempo que são contra a Otan? Paradoxos tupiniquins!" Quem desejar acompanhar clicar (aqui)

Ênio Bucchioni (4/4/2022):

"As armas já estão sendo enviadas faz muito tempo para a Ucrânia, desde 2014, pelo menos.
Quem as envia são os imperialistas dos Estados Unidos e de vários países europeus.

Zé Maria e o PSTU querem fazer parte desta unidade, mas não poderão competir contra o governo Biden ,pois este já enviou 2,5 bilhões de dólares para os golpistas de ultra-direita e nazistas de 2014 da Ucrânia."

Aos que desejam acompanhar as postagens do camarada, clicar aqui.

Nenhum comentário