Manchetes do dia

Eleições francesas – O Estrangulador vs O Assassino do Machado

O arqui-neoliberal Emmanuel Macron (à esquerda) vs fascista 'moderada' Marine Le Pen
Original escrito por Ian Donovam, do Consistent Democrats da Grã Bretanha.

A atual eleição francesa resume as 'escolhas' que o sistema capitalista oferece à classe trabalhadora na ausência de uma política revolucionária de classe. O arqui-neoliberal Emmanuel Macron liderou as pesquisas no primeiro turno em 10 de abril com 27,85 dos votos, seguido pela fascista Marine Le Pen com 23,15%, com o candidato de esquerda Jean-Luc Mélenchon em terceiro lugar com 21,95%. Assim, no segundo turno, em 24 de abril, Macron enfrenta Le Pen e Mélenchon foi eliminado.

Existe uma possibilidade real de uma vitória de Le Pen no segundo turno, principalmente porque Macron é um arqui-inimigo da classe trabalhadora francesa que lançou muitos ataques aos direitos democráticos, padrões de vida, bem-estar, pensões nos últimos cinco anos, como bem como favorecer o racismo anti-migrante e a islamofobia de uma forma que rivalizava com a de Le Pen. Um fator que milita a favor de Le Pen no segundo turno é que, embora Le Pen tenha procurado minimizar a política essencialmente fascista de seu partido (agora chamado Rally Nacional, anteriormente Frente Nacional) por muitos anos, havia outro candidato de direita, Eric Zemmour, um reacionário judeu que se especializou particularmente em ataques anti-muçulmanos, que obteve 7% dos votos. Naturalmente, ele apoia Le Pen no segundo turno.

Houve uma revolta popular da classe trabalhadora contra os ataques de Macron no final de 2018, a dos Gilets Jaunes (coletes amarelos) que inicialmente explodiram contra aumentos nos impostos sobre combustíveis e impostos sobre pensões. O imposto sobre o combustível, em uma dessas meias-verdades tipicamente mentirosas, foi “justificado” por alegações de que Macron estava fazendo algo sobre as mudanças climáticas. Mas como sempre, ele estava atacando os pobres: apenas 20% do dinheiro arrecadado com esses impostos estava sendo gasto em qualquer coisa relacionada à superação do uso de combustíveis fósseis para produzir energia – o resto era apenas a transferência usual dos ricos para os pobres, como naturalmente eram os impostos sobre as pensões. Tudo isso foi feito em combinação com cortes em um imposto sobre a riqueza. A extrema direita tentou explorar esse movimento, mas foi afastada pelos envolvidos, e começou a mostrar seu potencial para mudar a sociedade e a política francesas para a esquerda antes da pandemia.
Gilets jaunes confrontam a tropa de choque do CRS

A resposta de Macron aos coletes amarelos foi tentar esmagá-los brutalmente pelo terror policial – houve dezenas de casos terríveis de manifestantes sendo mutilados, olhos e membros perdidos, pelo uso policial de munições altamente explosivas contra os manifestantes. De fato, muitos podem olhar para a maneira como Macron tratou os coletes amarelos e concluir que há pouca diferença entre esse tipo de brutalidade criminosa e o comportamento dos fascistas reais no poder em qualquer caso.

MÉLANCHON é um oponente de esquerda da OTAN e da UE, e do neoliberalismo, embora não seja um revolucionário. Mas muitos que podem ser conquistados para as posições de cosntrução de um partido revolucionários o apoiaram e devem ser abordados pelos marxistas com suas táticas. Sua forte atuação está, sem dúvida, ligada ao seu apoio aos coletes amarelos, seu envolvimento nas tentativas de unir essa revolta dos trabalhadores e da classe média baixa fora do quadro dos sindicatos burocratizados e colaboracionistas de classe, com militantes sindicais no período do pico da atividade dos coletes amarelos antes da pandemia. Mélenchon pediu com destaque a anistia para todos os coletes amarelos, manifestantes vitimados, acusados ​​e condenados em sua campanha eleitoral. Esta foi certamente uma campanha com um verdadeiro aspecto de consciência de classe que os marxistas deveriam ter dado apoio crítico.

Foi por pouco que ele não conseguiu nocautear Le Pen. O que realmente teria sido um terremoto político, pois lado a lado com sua forte exibição, o candidato do historicamente importante Partido Socialista Francês ganhou um minúsculo 1,75%; que foi um produto do longo histórico de traição neoliberal deste partido, ataques contra a classe trabalhadora, racismo e envolvimento em crimes imperialistas internacionais no norte da África e no Oriente Médio. Mélanchon fracassou em ir para o segundo turno em parte por responsabilidade de alguns dos sectários incuráveis que ficaram no primeiro turno, como o Partido Comunista há muito decadente (2,3%), o chamado 'Novo Partido Anticapitalista' (0,8%) e Lutte Ouvrière (0,6%). Se estes partidos tivessem desistido de suas candidaturas em favor de um apoio crítico a  Mélenchon, provavelmente teríamos visto Le Pen ser nocauteada no primeiro turno.

O Jean-Luc Mélenchon, candidato presidencial francês de esquerda.

Muito corretamente, Mélenchon se recusou a apoiar Macron para o segundo turno. Seria fatal para a esquerda da classe trabalhadora, e para uma política em favor da classe e da consciência de classe endossar um reacionário burguês como Macron como um suposto 'mal menor' contra Marine Le Pen. A ascensão de Le Pen à posição de não apenas ficar em segundo lugar no primeiro turno, mas de representar uma séria ameaça no segundo, é resultado da desmoralização ainda maior da classe trabalhadora através do apoio de grande parte do movimento operário em favor de Macron como um 'mal menor' frente a Le Pen. Cinco anos atrás, Macron ainda era para muitos uma novidade política. Embora tenha sido ministro na administração do governo neoliberal "socialista" François Hollande, ele rompeu e fundou seu próprio partido (burguês), En Marche, de antemão e ganhou a eleição como um candidato abertamente neoliberal pró-UE, uma espécie de versão francesa da simbiose Thatcher/Blair, mas sem nenhuma conexão com o movimento operário, como gozava Blair. Agora ele é um chanceler desacreditado, e se reeleito só vai atacar ainda mais a classe trabalhadora.

Marine Le Pen, felizmente, não tem um histórico de ações militares fascistas, forjada em batalhas diretas contra a classe trabalhadora, como Hitler possuía antes de assumir a chancelaria alemã. Se ela, de alguma forma, vencer o segundo turno, provavelmente tentará usar sua posição para criar esse histórico, mas isso pode ser cortado pela raiz por uma ação firme e de base do movimento operário e da esquerda, que deve estar preparada para usar a força em um sentido defensivo (no primeiro momento)  para abortar com essa escalada. De fato, a defesa dos direitos democráticos dos trabalhadores franceses necessita de tal força, seja quem for que vença. Se Macron vencer por pouco, o que parece provável, apesar de suas súbitas e hipócritas reversões de retórica para tentar aplacar os eleitores de esquerda, ele, sem dúvida, estará ainda mais interessado em adotar elementos do programa de Le Pen, particularmente o ódio contra os imigrantes e a islamofobia, além de seus já conhecidos ataque aos direitos democráticos em geral.coletes amarelos .

A eleição ocorre no contexto da guerra na Ucrânia e, há vários anos, uma das táticas do governo russo tem sido tentar bajular várias tendências dissidentes na política ocidental, incluindo elementos de extrema direita como Trump ou Le Pen que julgou pode ser mais isolacionista do que políticos burgueses tradicionais como Macron. Há um aspecto disso que é descendente da “tática” stalinista da frente popular internacional, buscando uma aliança com qualquer facção nos países imperialistas que seja considerada “amante da paz”, ou seja, que Moscou acredite estar mais propensa a deixar a Rússia em paz, como foi o o pacto Ribbentrop-Molotov, entre Stalin e Hitler de 1939, e que se revelou o maior erro político de Stalin, que desarmou a URSS contra a invasão nazista, justamente a maior operação de Hitler na II Guerra. Isso saiu pela culatra com o apoio russo a Trump, já que Trump rasgou o tratado INF para permitir a introdução de armas nucleares de 'curto alcance' na Europa Oriental, o que obviamente é um elemento-chave da expansão da OTAN contra a Rússia.

No entanto, a alternativa burguesa a Trump nos EUA, os democratas de Biden, foram os que armaram o Golpe Maidan em 2014 e levaram o mundo ao tipo de confronto e histeria sobre a ação militar da Ucrânia e da Rússia para defender a população russa e russófona, uma histeria imperialista de um tamanho que só foi vista durante a Guerra da Coréia em 1950. O que também aconteceu sob uma administração do Partido Democrata, a de Truman. Os histéricos liberais pró-guerra agora às vezes afirmam que essa açõa militar defensiva russa “prova” que a Rússia é “fascista”, ou mesmo que a Rússia é de alguma forma responsável pelo surgimento de correntes de extrema-direita nacionalistas para disputar o poder contra os próprios países imperialistas… afirmação notável, enquanto esses liberais-democratas alimentam artificialmente uma estranha resistência ucraniana armando e financiando sanguinários e torturadores mercenários nazistas com imensos investimentos de capital ocidentais, como vanguarda de sua ofensiva anti-russa e anti-eurásia nesse momento.

Seja na França ou nos EUA, as variadas políticas de apoio político a figuras e correntes supostamente 'mal-menores' ou mesmo 'progressivas' (!!!) burguesas são um fracasso mesmo em seus próprios termos. Votando nos Democratas contra Trump e sua histeria racista e tentativas de incitar a violência fascista nos EUA, e você terá Biden, que financia a violência nazista na Ucrânia e cujos esforços chegaram ao ponto em que se pode dizer sobre a Ucrânia que a burguesia imperialista está objetivamente reabilitando cada vez mais o próprio nazismo, enquanto ameaça a Terceira Guerra Mundial. Na França, um voto "contra Le Pen" pela esquerda a favor de Macron levará, na prática, a um regime de Macron que se assemelha muito ao que um regime de Le Pen faria. Escolher entre o Estrangulador e o Assassino do Machado tem apenas um resultado previsível – o assassinato.

Nenhum comentário