Manchetes do dia

Grécia: Breve visão geral da situação em 2022

M. Santaskidis, Ação Revolucionária Comunista ( ΚΕΔ, Grécia)

A presidente Katerina Sakellaropoulou em frente a um muro na fronteira,
que representa o mais alto nível a política anti-migrante do Estado grego

A Grécia, com seu atual governo neoliberal eleito com uma retórica racista, anti-imigração e medo, chegou a um momento peculiar, onde após uma década de austeridade e turbulência, políticas e práticas semelhantes do Estado não estão sendo contestadas. A nova legislação antilaboral, a normalização de um ambiente de trabalho com baixos salários e altas jornadas de trabalho, novos tipos de emprego – prejudiciais para os trabalhadores – o aumento dos aluguéis e dos preços em geral, são as novas condições de vida em que as pessoas são forçados a lutar pela sobrevivência.

Ao mesmo tempo, o governo assumiu o papel de cão de caça da Europa contra os imigrantes e refugiados, fazendo amplos retrocessos, seja em terra ou no mar, ou amontoando pessoas em condições inabitáveis ​​em campos de refugiados. O Estado, com a bênção da Europa, optou por tornar a vida dos refugiados pior do que em seus países de origem, ou, com total desrespeito às vidas humanas e a decência, apenas matá-los tentando “devolvê-los” violentamente à Turquia. O que é irônico, porque, em nome da vida humana e da segurança pública, o Estado implementou um dos bloqueios mais duradouros e cruéis da Europa, juntamente com uma grande quantidade de brutalidade policial para aplicá-lo.

No entanto, mesmo antes da pandemia, houve um grande aumento na violência policial contra manifestantes e brutalidade policial geral, onde a polícia invadiu casas ou manteve sob vigilância, conhecidos ativistas de esquerda, usando a saúde pública como desculpa, esses incidentes dispararam. Isso foi combinado com um ataque às práticas organizacionais do movimento, com legislação permitindo a entrada de policiais nas universidades ou cerceando os direitos sindicais. É lamentável, porém, que os movimentos tenham sido paralisados ​​por medo da pandemia. Mesmo agora, é difícil se organizar devido a esse medo, explicando assim por que qualquer resistência tem sido fraca.

No cenário internacional, a burguesia grega se vê como um fator importante na atual guerra fria. Enquanto as condições de vida na Grécia estão caindo, o Estado fez um enorme acordo de armamento com a França, onde também concordou que as tropas fossem enviadas em conflitos que a França está conduzindo. Ao mesmo tempo, a Grécia apoia incondicionalmente os interesses dos Estados Unidos, permitindo novas bases militares dos EUA, bem como a expansão das antigas. Por fim, uma aspiração duradoura da burguesia é a reivindicação maximalista de uma imensa zona econômica exclusiva (ZEE) que aspira tornar o sudeste do Mediterrâneo um “lago grego”, provocando conflitos com a Turquia.

Nenhum comentário