Manchetes do dia

EUA: Nenhum apoio político para Biden/Harris! Romper com os democratas!

Nenhum apoio político para Biden/Harris!
Romper com os democratas! 

DECLARAÇÃO DO COMITÊ DE LIGAÇÃO PELA IV INTERNACIONAL



As Eleições Presidenciais dos EUA de 2020 são as mais perigosas e incendiárias em muitos anos, já que a 'democracia' dos EUA e suas aspirações por estabilidade social e política estão agudamente ameaçadas pela perspectiva de que, mesmo se derrotado, Donald Trump não aceitará isso e irá lutar para manter o poder, aconteça o que acontecer. Trump aparenta ter superado a Covid-19 e aspira ser uma reprise dos EUA de alguém como Louis Bonaparte, capaz de subverter e manipular um sistema "democrático" altamente antidemocrático para ganhar as eleições e se manter o poder sem obter a maioria, ou mesmo uma pluralidade, do voto popular.
Se as ameaças golpistas não forem mais um disparate de Trump, é possível que possa haver um grande confronto entre diferentes facções burguesas no rescaldo da eleição e, dadas as diferentes bases sociais e eleitorais dessas facções, isso poderia produzir grandes polarizações e até mesmo conflitos entre diferentes camadas da população da classe trabalhadora nos EUA, além de representar uma grande ameaça aos direitos democráticos e conquistas sociais.

Do ponto de vista de uma política racional para o imperialismo dos EUA, a administração de Trump é disfuncional. Mas, novamente, mesmo do ponto de vista da democracia formal, hoje a própria Constituição dos Estados Unidos é disfuncional. Isso não é algo que a classe trabalhadora deva comemorar. Entretanto, seus interesses estão fundamentalmente em confronto com os do capitalismo dos EUA. Pois as irracionalidades da constituição e configuração política dos Estados Unidos não beneficiam de forma alguma a classe trabalhadora e os setores duplamente oprimidos de nossa classe, que são alvos específicos de algumas das piores características do sistema político.

Os Estados Unidos não são um estado nacional burguês "normal", como pode ser visto mais classicamente na Europa e no Japão. É um estado colonizador, fundado através do genocídio dos povos nativos das várias nações 'indígenas', o que o marca como uma sociedade fundada na barbárie racista em suas raízes. A outra base da 'democracia' dos EUA é o sequestro e escravização de sua população negra da África. Toda a sua história foi particularmente marcada pelas lutas da população negra por direitos básicos e igualdade.



Os barbarismos gêmeos dos Estados Unidos:
(à esquerda) Massacre de tribos indígenas em Latoka, Wounded Knee, 1890;
(à direita) Linchamento e enforcamento de negros em Indiana, 1930.

Inicialmente contra a escravidão no século 19, em seguida, contra a segregação forçada Jim Crow e o terror da Ku Klux Klan que o sucedeu, uma luta que culminou com a realização da igualdade jurídica formal, como resultado do movimento dos direitos civis dos anos 1950 e 1960. O movimento dos Direitos Civis se deteve naquele ponto, falhando em ir além e tocar a enorme desigualdade econômica e empobrecimento da população negra que séculos de opressão racial sob o capitalismo deram origem.

O fim do movimento dos Direitos Civis viu a população negra dos guetos do Norte se erguer e lutar contra policiais racistas ao lado de seus irmãos no Sul, em parte sob a bandeira do Black Power (Poder Negro), e o pacifismo liberal do Rev. Martin Luther King desafiado pela ascensão de Malcolm X, os Panteras Negras e outros movimentos quase revolucionários, como SNCC (Comitê de Coordenação Estudantil Não-Violento), DRUM (Movimento Sindical Revolucionário de Detroit) e a Liga dos Trabalhadores Negros Revolucionários, para mencionar apenas alguns. Mas essa radicalização falhou em cristalizar um partido com autoridade sobre a classe trabalhadora e revolucionário e, com o tempo, isso levou esses movimentos a serem vítimas da repressão do Estado, da desilusão e da desmoralização.

Ataques neoliberais e ofensiva racista lado a lado

O fracasso do movimento pelos Direitos Civis e, seu sucessor, o semi-nacionalismo "radical" em realizar uma luta contra a dupla exploração capitalista e a opressão das massas negras levou, desde o final dos anos 1970, ao neoliberalismo tomando a ofensiva contra a população negra por meio de cortes em programas de pobreza, repressão da chamada 'lei e ordem', restauração da pena de morte em 1976, que teve como alvo particularmente os negros, que foram desproporcionalmente conduzidos a uma vida de pobreza e degradação. Essa opressão intensificada gerou um grau de crime que pode então ser explorado por racistas para empobrecer ainda mais as massas negras, enquanto ao mesmo tempo promove uma camada negra de classe média de colaboradores do sistema.



Martin Luther King e Malcolm X 

Isso continuou durante as administrações de Reagan e do presidente Bush com a 'Guerra às Drogas', que na verdade foi uma guerra contra as massas negras, e então intensificada sob Clinton com a aprovação de vários projetos anti-crime 'omnibus' e leis de 'pena de morte efetiva', continuando sob a administração seguinte de G.W.Bush. Isso deu origem à situação hoje, onde os Estados Unidos têm 2,3 milhões de pessoas presas, cerca de 40% das quais são negras. A taxa de prisão de negros para brancos nos EUA em 2018 era de 1.501 / 100 mil, em oposição a 268 / 100 mil para brancos - uma taxa quase 6 vezes maior.

Ao longo do período coberto principalmente pelo governo Obama, e as condições que o deram origem, parece que houve uma certa queda no grau de desproporcionalidade da prisão negra, de mais de nove vezes em 2006 para "apenas" perto de seis vezes em 2018 (consulte aqui). Mas a resposta a tal redução relativa dos piores ultrajes sob o mandato do primeiro presidente negro foi esforço decidido da direita neoliberal pela ascensão de Trump, um racista declarado, para suceder Obama.

A campanha de manipulação [gerrymandering] e supressão eleitoral que levou à reação da supremacia branca contra a presidência de Obama foi considerável e fez com que Trump ganhasse o Colégio Eleitoral em 2016, apesar de no voto popular nacional perder para a candidata do Partido Democrata, Hillary Clinton, por quase três milhões de votos. Embora Hillary Clinton fosse parte integrante da administração Bill Clinton, responsável por anteriores ataques legais terríveis, ela pagou o preço por seu partido ter trazido um presidente negro. Isso sublinha porque o sistema de Colégio Eleitoral obviamente antidemocrático, o legado da expansão incremental dos colonos brancos e muitas guerras racistas, foi preservado - como uma porta corta fogo contra as populações multirraciais das grandes cidades onde a classe trabalhadora pode ser mais potente e política.

Essa é a natureza da luta de classes nos Estados Unidos. A luta contra a dupla opressão da classe trabalhadora negra e dos pobres permeia toda a luta de classes da classe trabalhadora dos Estados Unidos e dá a ela um caráter especial, no qual raça e classe estão intimamente ligados e as questões de classe são modificadas por considerações de opressão racial. Também está na raiz da 'cultura das armas' nos Estados Unidos: a Segunda Emenda - o direito de portar armas - sempre foi sobre armar a população de colonos brancos para massacrar as nações nativas desta parte da América do Norte e manter o População negra escravizada e segregada.

A epidemia de 'tiroteios em massa' nos Estados Unidos está ligada à patologia de uma sociedade envenenada pela lei do linchamento e à supressão das questões sociais pela violência. Não é a mera presença de armas que determina os assassinatos: em outras sociedades onde as armas são generalizadas, de países ricos como a Suíça a países pobres como as Filipinas, esses fuzilamentos em massa são raros, porque está ausente a patologia racista profundamente enraizada que polui esta sociedade colonizadora racista.

Existem outras questões que modificam a luta de classes nos Estados Unidos. A questão da imigração é de considerável importância no racismo dos Estados Unidos, já que toda a população de origem anglo-branca está sobre os ombros de violentos colonos brancos que massacraram as tribos nativas à beira da inexistência; daí as reclamações dos 'nativistas' brancos sobre os imigrantes de língua espanhola dos países semicoloniais mais pobres do Sul têm um caráter abertamente racista e hipócrita. Isso também se sobrepõe à brutalização imperialista dos Estados Unidos contra os povos de todo o território das Américas.

Os Estados Unidos são a potência imperialista mais perigosa da história, com um alcance verdadeiramente global e armamento para destruir a humanidade muitas vezes. Portanto, sua derrota e desintegração são do interesse do proletariado mundial e da grande massa da humanidade.

Reação trumpiana e declínio imperialista

A administração Trump e suas irracionalidades são um produto do declínio do imperialismo dos EUA e do declínio de seu poder, envolvendo-se em inúmeras guerras pelas quais tem lutado, principalmente no Oriente Médio: Iraque, Afeganistão e, mais secretamente, Síria. Duas questões levaram Trump ao poder: uma delas é o racismo doméstico, o sentimento anti-imigração e o apoio à supremacia branca entre partes da antiga classe industrial, principalmente a classe trabalhadora branca dos estados do 'cinturão de ferrugem' no interior dos Estados Unidos, cujos empregos foram frequentemente exportados para reduzir os salários dos países em desenvolvimento pela burguesia dos Estados Unidos, buscando desesperadamente lucros adicionais para compensar o declínio contínuo das taxas de lucro que são uma contradição paralisante e fundamental do capitalismo e endêmica neste período de declínio e decadência do capitalismo avançado.

O outro elemento vinculado ao trumpismo é um grau de isolacionismo reacionário de direita. Este sentimento entre setores ultra-reacionários do empresariado americano não é contra o militarismo imperialista como tal, mas sim sobre seu desejo arrogante de 'separar' negros, mulheres e outros grupos oprimidos que precisam ser 'colocados em seus lugares' para se restabelecerem o poder branco inquestionável, a supremacia masculina em casa. 'Make America Great Again' é sobre reimpor a supremacia branca como um caminho para uma futura ofensiva imperialista.

O modelo abstrato do capitalismo é que o dinheiro de qualquer pessoa é tão bom quanto o de qualquer outra pessoa, sendo teoricamente irrelevante a origem étnica daqueles que estão sendo explorados pelo capital. O capitalismo 'realmente existente', entretanto, não funciona assim, e os Estados Unidos são um exemplo particularmente extremo. Sua própria fundação estava ligada à supremacia racial, escravidão e genocídio, enquanto na Europa essas coisas são frequentemente vistas como produtos externos do "império". Grande parte de sua classe dominante e grande parte da população anglo-europeia estão profundamente arraigados na supremacia.

Então se vê grandes tensões sociais entre diferentes setores da classe dominante, um dos quais está 'rolando' com as mudanças demográficas e até mesmo se baseando na população negra e outras populações oprimidas, a outra das quais está lutando contra ela, ou pelo menos tentando explorar o descontentamento entre as seções do semiproletariado "deixadas para trás", os ex-operários do cinturão de ferrugem para promover uma agenda supremacista masculina branca velada.



Racismo do Estado Vigliante nos Estados Unidos. Trump enviou agentes federais para agredir os manifestantes do Black Lives Matter em Portland, Oregon. No destaque menor, o atirador Vigilante em Kenosha, Wisconsin, defendido por Trump, assassinou manifestantes do Black Lives Matter depois que a polícia atirou descaradamente nas costas de um negro desarmado. 

O amplo envolvimento de republicanos na repressão aos eleitores é uma indicação disso, assim como o apoio aberto de Trump aos grupos paramilitares fascistas / supremacistas brancos como os 'Proud Boys', e o impulso para nomear um fanático católico anti-aborto ultra-reacionário, Amy Coney Barrett, à Suprema Corte, obviamente com o objetivo de derrubar o julgamento Roe vs Wade de 1973 que impediu os estados de proibir o aborto, bem como possivelmente intervir ao lado de Trump em qualquer batalha legal sobre uma derrota eleitoral contestada. O apoio de Trump às milícias armadas e terroristas racistas contra o movimento Black Lives Matter que surgiu nos últimos anos como resultado do terrorismo incessante e do assassinato promíscuo de pessoas negras pelos policiais, é particularmente ameaçador e indica que ele está bastante preparado para apoiar e incitar massacres fascistas para tentar manter o poder. Como de fato é seu uso de forças federais para fins semelhantes, particularmente em Portland, Oregon, nos últimos meses.

Nenhum apoio político aos democratas!

As conclusões políticas que extraímos desta análise é que não podemos apoiar politicamente nenhum dos lados nesta eleição. Ambas as alas, em termos de programa e liderança, são totalmente burguesas. Ambos os partidos, democratas e republicanos, não são, de forma alguma, criações da classe trabalhadora. Eles são partidos da classe dominante e é uma questão de princípio para aqueles que defendem a independência de classe dos trabalhadores se recusarem a defender votos ou apoio político de qualquer forma.

No entanto, isso não é tudo. As bases sociais dos dois partidos são diferentes, mesmo que a natureza de classe deles seja burguesa. A base social dos democratas está na cidade grande, elementos genuinamente multirraciais da classe trabalhadora onde há um elemento de radicalização anti-racista da classe trabalhadora que deveria ser a sementeira de um movimento operário genuíno. Isso foi ilustrado na última campanha eleitoral presidencial, assim como nesta, pelas duas candidaturas à indicação presidencial pelo Partido Democrata feitas pelo social-democrata Bernie Sanders, que concorreu em um programa especialmente focado na demanda por cuidados de saúde gratuitos, ou 'Medicare para todos'.

Sanders estava concorrendo à nomeação para presidente na chapa de um partido burguês. No entanto, em certo sentido, ele foi impulsionado nessa direção por um elemento com consciência de classe dentro da base desse partido. Dizer isso não é apoiar politicamente o Partido Democrata ou qualquer pessoa dentro dele, incluindo Sanders. Seria sem princípios apoiar a batalha de Sanders pela nomeação do partido "liberal" dos magnatas, mas seria correto exigir que seus partidários rompessem com os democratas e lutassem abertamente pela criação de um partido da classe trabalhadora independente nos Estados Unidos. Se eles pudessem ser forçados a isso, os revolucionários poderiam ter dado a Sanders, ou a alguém como ele, um apoio muito crítico. 



Bernie Sanders sacrifica sua tendência política em favor de Biden

Em contraposição a isso está a base de Trump no cinturão de ferrugem da ex-classe trabalhadora, que foi conquistada por seu programa populista de direita de banir os muçulmanos dos EUA, atacar 'estrangeiros' e grupos oprimidos, protecionismo contra a China e, supostamente, manter os EUA fora de guerras agressivas no Oriente Médio particularmente, em parte por causa da desilusão impotente com os 40 anos de ataques neoliberais, retribuições aos patrões e o declínio prolongado dos padrões de vida desde os dias de Ronald Reagan.

A desilusão de classe com Obama levou algumas frações da classe trabalhadora em direção a Trump em 2016. Foi principalmente um voto reacionário, mas não exclusivamente. Sanders poderia ter conquistado uma camada, mas não a maior parte, alguns Trumpers que anteriormente apoiaram Obama, do apoio de Trump se ele tivesse conseguido concorrer. Obama obteve uma vitória esmagadora em 2008, impulsionado pelo sentimento, particularmente em relação às suas promessas em relação à saúde e para tirar os EUA do Iraque e Afeganistão, para fechar Guantánamo, etc. Mas enquanto ele entregou uma reforma da saúde que está muito longe de um público gratuito universal saúde, e enquanto ele assinou um acordo com o Irã que tornava um ataque dos EUA ao Irã menos provável no curto prazo, ele também lançou novas guerras na Líbia e na Síria, o que Trump conseguiu ganhar algum apoio ao criticar.

Assim, enquanto uma parte da base de Trump foi levada a apoiá-lo por seus ataques isolacionistas em algumas guerras recentes dos EUA, incluindo a de Obama, e Trump não foi capaz de lançar muito no caminho de qualquer nova guerra nesta presidência, a visão de Trump como alguma espécie de pacificador são absurdas. Nas últimas décadas, o militarismo americano mais tradicional se entrelaçou com os projetos dos neoconservadores, uma tendência política da classe dominante que considera o apoio a Israel e ao sionismo uma causa sagrada.

Há uma facção baseada na política étnica judaica dentro da classe dominante dos Estados Unidos há mais de um século, mas ela se tornou qualitativamente mais poderosa com o aumento da ofensiva neoliberal e esse tipo de reação está cada vez mais entrelaçado com o racismo de direita mais tradicional dos Estados Unidos. Ele dedicou um grande esforço para promover sua agenda em ambas as alas do imperialismo, mas sua afinidade com Trump foi particularmente marcada por um bom motivo: Os principais ideólogos em torno da administração Trump, figuras de extrema direita como Steve Bannon, Stephen Miller são sionistas e supremacistas brancos e Richard Spencer proclama seu apoio às mais ultrajantes atrocidades israelenses, e até mesmo se autodenominam 'brancos sionistas '. 

Trump destruiu o Acordo de Obama com o Irã, que originalmente tinha apoio bipartidário nos EUA, a mando de Israel. Ele fez o lobby de Israel enlouquecer ao implementar a Lei da Embaixada de Jerusalém de 1995 (que Clinton, Bush e Obama falaram da boca para fora, mas nunca implementaram), transferindo a Embaixada dos EUA para Jerusalém e promovendo seu "acordo do século", que abertamente repudia a própria ideia de um estado palestino e diz aos palestinos para aceitar e viver com a soberania israelense para sempre, encorajando os planos israelenses de anexar a Cisjordânia.

Além disso, ele exagerou em vários conflitos, usando sua conta no Twitter para ameaçar a Coréia do Norte e o Irã com o que parecia uma guerra nuclear. E então não fazendo muito mais. Mas ele também está aumentando a agitação contra a China, com ameaças, expansão das forças armadas, medidas de guerra comercial, como tarifas e abusos da China como supostamente responsável pela pandemia de Covid-19.

Trump fez muitas ameaças na América Latina, estimulando movimentos para derrubar o sucessor de Chávez, Maduro na Venezuela, apoiando abertamente o fantoche 'Presidente' Guaidó. Trump aproveitou-se do golpe contra o Partido dos Trabalhadores no Brasil (orquestrado pela administração de Obama) para projetar a ascensão ao poder do seu fantoche nazista Bolsonaro.

Não conhecemos em profundidade as conspirações golpistas secretas do imperialismo. O golpe na Bolívia de 2019 pode ter sido o único golpe de Estado articulado diretamente pelo mandato de Trump. Isso pode ter sido assim, se essa ação tiver sido um favor de Trump a Elon Musk, dono da multinacional de carros elétricos Tesla. A Casa Branca pode ter feito isso para aproximar o dono da fortuna de 100 bilhões de dólares, que sempre tem se mostrado ambíguo para receber favores dos dois lados imperialistas. Todavia, prevalece em nossas suspeitas que até o golpe de Estado na Bolívia, ocorrido no mandato de Trump, também possa ser obra do Deep State, vinculado ao establisment histórico e ao Complexo Militar Industrial, mais influenciado pelos Democratas. Musk tem muito mais afinidades políticas, ideológicas e estratégicas com os Democratas, defensores dos acordos climáticos, energias alternativas, que com Trump.

No entanto, em muitos desses teatros, os EUA não estão mais em uma posição tão forte, e a fanfarronice de Trump, e muitas vezes sua preocupação excessiva com a agitação da extrema direita e as causas domésticas, significam que ele tem sido um presidente um tanto disfuncional e ineficaz no exterior. O imperialismo é a COMPULSÃO EXPANSIONISTA do capital financeiro. Trump não tem sido muito eficaz para expandir os domínios imperialistas no século XXI, nem para conter a expansão dos adversários desse domínio imperialista, sobretudo da China, Rússia e Irã. Por isso ele é disfuncional. O lema de Theodore Roosevelt era que o imperialismo dos EUA deveria 'falar suavemente e carregar um grande porrete'. Poderiamos dizer que a prática de Trump às vezes tem sido 'grite bem alto e seja visto como um saco de vento'. Pode muito bem ser que um presidente do partido democrata como Biden ou Kamala Harris, repudiando as preocupações abertamente racistas e misóginas de Trump em casa, possa ser mais eficaz na defesa dos interesses do imperialismo dos EUA no mundo em geral.

A isso tudo deve-se acrescentar as características próprias dos candidatos a presidente e vice-presidente. Trump já sabemos quem é. Seu vice, Michael Pence já foi descrito como o supremacista cristão fundamentalista mais poderoso da história. Sendo essas as convicções dos membros da chapa republicana, as credenciais dos atos da chapa democrata não são melhores. Biden está domesticamente associado ao golpe de Maidan e ao parasitismo imperialista da Ucrânia, tendo lucrado do golpe orquestrado pela administração Obama, da qual Biden foi vice presidente, o controle da principal companhia de Gás ucraniana, a Burisma, que após o Maidan passou a ser administrada diretamente pelas mãos de seu filho, Hunter Biden. Ou seja, Biden é um candidato a presidente que se beneficia diretamente da política externa golpista do imperialismo. Todavia, não é segredo para ninguém que o pouco que resta da sanidade de Biden está com os dias contados e que quem governaria de fato seria sua vice Kamala Harris, que apesar de ser negra e considerada uma Obama de saias por suas trajetória ascendente na política, não é bem vista pelo movimento negro nem pela esquerda por que o trampolim dessa trajetória dentro do staff da política imperialista que alçou Harris para o Senado, e agora a chapa presidencial, foi o cargo de Procuradora da Califórnia, quando foi responsável por uma política racista de encarceramento em massa da população pobre e negra, condenando-a as infernais prisões estadunidenses por pequenos delitos, os chamados crimes sem violência.

Lutar contra os perigos fascistas por meio de ações independentes dos trabalhadores!

Ainda não está claro que se Trump consolidasse sua posição como Bush fez, ganhando um segundo mandato em seu programa de supremacia abertamente branca, flertando com o fascismo como faz, seria perfeitamente concebível que em seu segundo mandato, ele poderia se tornar um militarista muito perigoso, particularmente em uma campanha de guerra abertamente racista contra a China. Os eventos fictícios do drama da BBC / HBO de 2019, Years and Years, ambientado em um futuro próximo, que teve um segundo mandato de Donald Trump lançando um ataque nuclear contra uma ilha chinesa offshore, não são de todo rebuscados.

Embora os dois partidos burgueses na política dos Estados Unidos sejam burgueses, e em nenhum sentido política ou eleitoralmente apoiáveis, há uma diferença real em sua base social neste ponto que levanta a questão de qual lado a esquerda deveria tomar no caso de Trump perder a eleição, mas se recusar a ceder o poder e tentar mantê-lo pela força. Com seu apoio aberto e incitamento às milícias da supremacia branca para atacar os antifascistas, militantes negros e a esquerda, tal evento constituiria um perigo fascista para a população negra e outras minorias, e para o movimento da classe trabalhadora americana em geral. Os partidários armados de Trump não têm a organização e o apoio burguês que estavam atrás de Hitler e Mussolini, mas também não são inofensivos.

Se Trump tentar manter o poder contra sua derrota eleitoral, a esquerda e o movimento operário deve se opor com mobilizações de rua iguais ou maiores que as atuais para derrotar ao golpe e lutar por uma saída própria dos trabalhadores em meio a guerra civil, por um governo operário. Os trabalhadores devem tomar parte nas primeiras fileiras de qualquer luta para derrotar tal golpe trumpiano, até e incluindo o uso de ações armadas em grande escala e a guerra civil, embora uma guerra civil em larga escala pareça improvável. Em termos imediatos, isso significaria a derrota tática de um golpe reacionário e antidemocrático por uma figura burguesa cujas opiniões e ações são fascistas e representam uma séria ameaça para nossa classe. A participação da esquerda e dos trabalhadores organizados em tal batalha, embora recuse qualquer apoio político aos democratas, tem potencial para nos fortalecer consideravelmente.

Isso não resolverá o problema do declínio do imperialismo dos EUA e a ascensão das forças bárbaras desse declínio. Trump não é a causa, mas um sintoma disso, e o pior virá se a classe trabalhadora dos EUA não se armar politicamente para a luta. A esquerda precisa encontrar maneiras de se aproximar da grande parte da classe trabalhadora norte-americana e das populações oprimidas que ainda são influenciadas pelos democratas, para expor este partido burguês à vanguarda, a fim de avançar no enraizamento de um programa revolucionário e partido no trabalho classe nos Estados Unidos, na qual os trabalhadores negros, homens e mulheres, devem desempenhar um papel crucial e de liderança para a luta estratégica por um governo operário nos EUA através da revolução socialista, que construa uma República Soviética da América do Norte. 

Nenhum comentário