Manchetes do dia

EUA: O ultimatismo do WSWS (ICFI) na questão sindical serve a burguesia imperialista

O ultimatismo do WSWS (ICFI) na questão sindical serve a burguesia imperialista dos EUA 



WSWS é o portal do International Committee of the Fourth International (ICFI). O WSWS, sediado nos EUA, está entre os melhores sites de esquerda trotskista do planeta. Inclusive, nem todos as pessoas que acessam o WSWS, sabem que ele é um site de uma organização trotskista. E menos ainda que essa organização se chama International Committee of the Fourth International (ICFI 
- Comitê Internacional da IV Internacional, em português). Por se dedicar ao mundo virtual, trazem muitas informações e se tornaram especialistas nisso. É preciso reconhecer isso, mesmo não tendo concordância com a análise que fazem dessas informações.

Mas, a virtude se transformou em vício. O ICFI se tornou uma tendência sectária, ultimatista em relação a luta sindical, foram seduzidos pela própria militância virtual, na internet, e rechaçam toda atividade sindical da classe trabalhadora por princípio.


A ICFI-WSWS se opõe a atuar nos sindicatos dos trabalhadores sob a justificativa de que são dirigidos por burocratas reacionários - o que é verdade há 200 anos e em todo o mundo, mas não justifica a renúncia -, como está bem claro e prolixo aqui nesse "curso de formação" antisindical do dirigente da organização:

1. Por que os sindicatos são hostis ao socialismo? Por David North, 15 Junho 2019

2. Essa mesma posição está aqui:

Postal worker must draw some immediate conclusions, and one of them must be to take this current action out of the hands of the union and form rank and file committees. This really is a life and death issue. (Communication Workers Union folds 48 hours after Royal Mail threatens 20,000 jobs, Thomas Scripps, 2 May 2020).
3. E também aqui onde iguala os Sindicatos dos trabalhadores, dirigidos por burocratas, ao Partido Democrata da burguesia imperialista dos EUA:
But yesterday’s stunt constituted an effort by the Democratic Party, the unions, and their hangers-on to disrupt and gain control of this growing movement of workers against the efforts by the corporations to force them to continue working during the pandemic under unsafe conditions....Workplace committees are also necessary for workers to defend themselves against the efforts of the Democratic Party and the unions to hijack and disrupt their struggles. (May 1 “general strike” at Amazon: A failed adventure by theDemocratic Party and the unions, The International Amazon Workers Voice, 2 May 2020)
A atividade sindical é a frente única por excelência da classe trabalhadora, é sua primeira consciência na luta política contra os patrões, empresários, policiais e o Estado capitalista. Sem passar por essa escola e sem descobrir os limites dessa escola, dificilmente os trabalhadores vão superá-la, adquirir consciência revolucionária, consciência de classe para si, consciência comunista. 

O ICFI abandonou a classe trabalhadora e se tornou inútil para mobilizar as massas em seu local de trabalho, estudo e moradia. Acreditam que podem substituir completamente os sindicatos por “comitês de base” como colaterais do próprio ICFI. É como se dissessem para os trabalhadores é “pegar ou largar”, ou realizam militância diretamente nas fileiras do ICFI, ou nada. Não consideram o nível de compreensão dos operários ou suas expectativas sobre o assunto.

Acreditamos que Partido, Sindicato e Comitês de Base são úteis e que comprem funções diferentes na luta de classes. Precisamos levar as massas a conclusões revolucionárias, baseado em experiências comuns com elas. Para o ICFI, os sindicatos são instrumentos tão malignos quanto o Partido Democrata dos EUA, seriam, igualmente, bandidos. E a realidade não é assim, preto ou brando, por pior que sejam as burocracias sindicais em qualquer parte do mundo.


As burocracias são muito mafiosas e aburguesadas nos EUA, mas também são na África do Sul, Argentina e Brasil. Não podemos ajudar os trabalhadores a superarem suas ilusões na luta sindical apenas através de ultimatos a esses trabalhadores.

Os sindicatos são uma conquista histórica da classe trabalhadora. Sofreram uma degeneração progressiva, através da própria degeneração do capitalismo em direção a barbárie, mas não deixaram de ser um instrumento que precisa ser reconquistado das mãos das burocracias sindicais para os trabalhadores em sua luta política cotidiana. E ainda que essa reconquista não seja operada, essa luta é importante para fazer avançar a consciência dos trabalhadores. Depois da revolução na Rússia, Lenin também foi duro na crítica contra a recusa "baseada em princípios" de se envolver com sindicatos de massa:
Estamos fazendo uma luta contra a “aristocracia operária” em nome das massas dos trabalhadores e para conquistá-las para o nosso lado; estamos realizando uma luta contra os líderes oportunistas e social-chauvinistas para conquistar a classe trabalhadora para o nosso lado. Seria absurdo esquecer essa verdade mais elementar e mais evidente. No entanto, é esse absurdo que os comunistas de "esquerda" alemães cometem quando, por causa do caráter reacionário e contrarrevolucionário da cúpula sindical, eles chegam à conclusão de que... devemos nos retirar dos sindicatos, recusar-nos a trabalhar neles e criar formas novas e artificiais de organização do trabalho! É um erro tão imperdoável que equivale ao maior serviço que os comunistas poderiam prestar à burguesia. Como todos os líderes sindicais oportunistas, social-chauvinistas e kautskistas, nossos mencheviques nada mais são do que "agentes da burguesia no movimento operário" (como sempre dissemos que os mencheviques são) ou "lugar-tenentes operários da classe capitalista", para usar a expressão esplêndida e profundamente verdadeira dos seguidores de Daniel De Leon na América. Recusar-se a trabalhar nos sindicatos reacionários significa deixar as massas de trabalhadores insuficientemente desenvolvidas ou atrasadas sob a influência de líderes reacionários, agentes da burguesia, aristocratas operários ou 'operários aburguesados. (Lenin, Esquerdismo, doença infantil do Comunismo, maio de 1920).

20 anos depois, Trotsky voltou ao mesmo ponto e foi igualmente incisivo:

Apesar da degeneração progressiva dos sindicatos e de seus vínculos cada vez mais estreitos com o Estado imperialista, o trabalho nos sindicatos não só não perdeu sua importância, como agora essa importância é maior para todo partido revolucionário. Trata-se essencialmente de lutar para ganhar influência sobre a classe operária. Toda organização, todo partido, toda fração que se permita ter posição ultimatista com relação aos sindicatos, o que implica em voltar as costas à classe operária, somente por não estar de acordo com sua organização, está destinada a acabar. E é bom frisar que merece acabar. (Leon Trotsky, Os sindicatos na época da decadência imperialista, agosto de 1940).

O sectarismo anti-sindical do ICFI se tornou um agrupamento funcional ao controle que a ala do imperialismo enquadrada dentro do Partido Democrata dos EUA continue controlando a maioria dos corações e mentes do proletariado no coração do monstro imperialista, no pais mais poderoso do planeta. Parafraseando Lenin, o esquerdismo do ICFI “equivale ao maior serviço que os comunistas poderiam prestar a burguesia”. No caso o ICFI tem o agravante contra si de prestar esse serviço a burguesia imperialista dos EUA, à mais exploradora e opressora da classe trabalhadora mundial.

É bem verdade que por não se apresentar uma alternativa à esquerda do Partido Democrata para disputar a consciência do proletariados estadunidense, em 2016, nos cinturões industriais dos EUA, sobretudo nas cidades operárias do chamado cinturão da ferrugem, os trabalhadores que se sentiram ameaçados pela concorrência industrial chinesa votaram pelo protecionismo de Trump.

Com o desgaste de Trump, uma fração de esquerda do Partido Democrata voltou a seduzir os trabalhadores, o social-imperialista Bernie Sanders. Nesse momento em que Sanders traiu a mais recente e talvez historicamente maior onda pelo socialismo da história dos EUA, apesar de Bernie Sanders, seria importante ter uma organização trotskista revolucionária capitalizando a desilusão dentro das lutas imediatas, das lutas sindicais do importante proletariado estadunidense, mas o WSWS é relativamente bom para a informação, mas não para a organização da luta contra o imperialismo.

Agora, com a pandemia destroçando a principal carta na manga de Trump, o pleno emprego, com a desilusão crescente com as duas alas do imperialismo, a reorganização classista e comunista dos trabalhadores está na ordem do dia, por isso ser importante construir um partido operário independente.

Temos que combater o oportunismo que aburguesa os sindicatos e persegue os comunistas dentro das bases sindicais, e o sectarismo, anarquista, assembleista ou maximalista, que entrega toda luta imediata, econômico-sindical de bandeja para os burocratas oportunistas, sob a justificativa de que o sindicatos não servem mais para a classe trabalhadora devido a sua direção aburguesada. Um e outro, cada um a sua medida, servem a burguesia.
"Não duvidamos de que os senhores "chefes" do oportunismo recorrerão a todos os artifícios da diplomacia burguesa, à ajuda dos governos burgueses, dos padres, da policia e dos tribunais para impedir a entrada dos comunistas nos sindicatos, para expulsá-los de lá por todos os meios e tornar o seu trabalho nos sindicatos o mais desagradável possível, ofendê-los, molestá-los e persegui-los. É preciso saber enfrentar tudo isso, estar disposto a todos os sacrifícios e, inclusive, empregar - em caso de necessidade - todos os estratagemas, ardis e processos ilegais, silenciar e ocultar a verdade, com o objetivo de penetrar nos sindicatos, permanecer neles e ai realizar, custe o que custar, um trabalho comunista." (Lenin: Esquerdismo: Doença Infantil do Comunismo, Capitulo 5, O comunismo "de esquerda" na Alemanha. Chefes, Partido, Classe, Massas, 1920).

 

Nenhum comentário