Manchetes do dia

Austrália - eleições 2022: a classe trabalhadora se move para a esquerda em condições de crise



Na pintura do mural, Scott Morrison, o primeiro ministro da extrema direita diria: "Queremos mais aprendizado e menos ativismo nas escolas... Não é, meu precioso". A referência a esta última frase está satirizando Morrison, comparando-o ao Gollum do romance de fantasia "O Senhor dos Anéis", que se refere ao "Anel" como "meu precioso". A imagem mostra Scott Morrison segurando um pedaço de carvão e se referindo a ele como "meu precioso". É uma referência a Morrison trazendo o pedaço de carvão para o parlamento e tirando sarro dele pelo quanto ele ama carvão. Na pintura, Morrison é mostrado debaixo d'água como uma referência ao aumento do nível do mar devido às mudanças climáticas (em parte pelo uso capitalista e descontrolado do carvão) e é possível ver a Ópera de Sydeny parcialmente submersa ao fundo...




Davey Heller, do grupo Consciência de Classe da Austrália e EUA, 1 de junho de 2022, um importante artigo dos camaradas australianos sobre a conjuntura de seu país para a nossa compreensão da conjuntura brasileira.

Em 21 de maio, uma eleição federal foi realizada na Austrália, resultando em uma derrota esmagadora para o primeiro-ministro de extrema direita Scott Morrison e para o Partido Liberal e devolvendo o Partido Trabalhista Australiano (ALP) ao cargo pela primeira vez em nove anos.

A eleição mostrou que, apesar das aparências, incluindo os comícios anti-vax e os melhores esforços da imprensa burguesa, a classe trabalhadora girou à esquerda e não para a direita durante os últimos dois anos de crise. A eleição desferiu um duro golpe no projeto de consolidação da política de extrema direita por meio de processos eleitorais. O Partido Liberal está irremediavelmente dividido devido às divisões da classe dominante sobre as mudanças climáticas. Perdeu efetivamente sua base nas classes médias altas das cidades.

O colapso da votação do Partido Liberal deve ser visto no contexto dos esforços de uma divisão da classe dominante, liderada pela imprensa de Murdoch, para transformar o partido no próprio partido “MAGA-lite” da Austrália de militarismo, nacionalismo e reação social. Isso envolveu o expurgo dos elementos mais centristas do partido, um processo que culminou no golpe parlamentar de 2018 que instalou o pentecostal de extrema-direita cristã Morrison. Isso fazia parte da tendência capitalista internacional de tentar mover a democracia burguesa para a direita em direção a um governo autoritário ou mesmo fascista em resposta ao aprofundamento da crise econômica capitalista.

Embora parte de uma tendência internacional, a mudança para a direita da política australiana surgiu também de tensões internas entre a classe dominante sobre como responder às mudanças climáticas, a ofensiva de guerra dos EUA contra a China e como melhor reprimir a classe trabalhadora industrial.

A fissura sobre a mudança climática, no entanto, dominou esta eleição. O que a mídia chama de “guerras climáticas” é realmente uma luta de classes entre os lobbies das energias renováveis ​​e do carvão para promover seus próprios interesses de lucro.

A Austrália é a segunda maior nação exportadora de carvão. Scott Morrison em 2017, em um golpe típico de Trump, brandiu um pedaço de carvão no Parlamento, simbolizando que ele era o campeão do lobby do carvão. No entanto, uma fração diferente da classe dominante, intimamente ligada a um poderoso setor do capital financeiro, está salivando com as perspectivas dos lucros da energia renovável e da teia de compensações e outros mecanismos de mercado que oferecem a falsa promessa de um capitalismo “verde”.

Scott Morrison, segurando um pedaço de carvão, no Parlamento autraliano, em 2017.

Cada uma dessas facções tinha seu próprio oligarca injetando dinheiro nas eleições. O lobby do carvão tinha a figura repulsiva de Clive Palmer, um bilionário do carvão que injetou US$ 100 milhões em seu projeto político pessoal, o “United Australia Party (UAP)”. Ele tentou repetir o truque de 2019 de canalizar o voto “anti-establishment” da extrema direita por trás da Coalizão Liberal/Nacional no poder. A Austrália tem um sistema de voto preferencial obrigatório que significa que uma pessoa pode votar, por exemplo, no United Australia Party como seu primeiro voto ou voto primário, mas se sua primeira escolha não vencer, seu voto flui para quem preferir depois disso. Em 2019, votos da UAP e de outros candidatos de extrema direita voltaram para o Partido Liberal para empurrá-los para uma vitória apertada.

O oligarca do lobby das energias renováveis ​​foi Simon Holmes a' Court, filho do primeiro bilionário da Austrália. A' Court despejou sete milhões de dólares em um movimento para eleger os chamados candidatos “Teal”. Embora concorrendo como independentes, os candidatos Teal foram efetivamente rebatizados de liberais centristas da classe média alta que fizeram campanha em grande parte em plataformas de combate às mudanças climáticas.

A eleição foi realizada à sombra de uma história recente de desastres naturais relacionados ao clima. Grande parte da costa leste da Austrália literalmente queimaram nos incêndios florestais do Verão Negro de 2020. Nos meses anteriores à eleição, grande parte da costa leste foi repetidamente submetida a dilúvios de proporções bíblicas.

Os independentes do Teal tomaram assentos cruciais do Partido Liberal em algumas das áreas mais ricas de Melbourne, Sydney e Perth. Eles se tornaram mais do que um voto de protesto climático, mas uma forma da classe média alta se opor à postura cada vez mais reacionária do Partido Liberal em questões sociais como o tratamento dos indígenas australianos, o feminismo e os direitos dos transgêneros. Preocupações “progressistas” semelhantes da classe média viram os Verdes conquistarem quatro novos assentos em Brisbane, tirando-os tanto dos trabalhistas quanto dos liberais. Este resultado é de enorme importância, pois significa que o impulso para uma versão “MAGA-lite” do Partido Liberal efetivamente separou sua base tradicional de apoio entre as áreas mais ricas e educadas das grandes cidades.

Em contraste, o investimento de US$ 100 milhões do barão do carvão Clive Palmer em seu United Australia Party falhou quase completamente em seus objetivos. A eleição teve resultados surpreendentes, como um candidato indígena da Aliança Socialista superando o Partido da Austrália Unida em um eleitorado do extremo norte de Queensland! Apesar de espalhar slogans de “liberdade” em outdoors, jornais e na internet, esse partido não conseguiu transformar em votos como esperava, sua campanha baseada no combate as medidas de quarentena durante a pandemia.

Um dos muitos outdoors pagos por Clive Palmer, o barão do carvão.

De fato, a reação contra o Partido Liberal na Austrália Ocidental e em Victoria indicou que havia profunda hostilidade à maneira como o Partido Liberal Federal procurou minar as (agora abandonadas) medidas de saúde pública dos estados. Embora os primeiros-ministros MacGowan e Andrews do estado do ALP tenham se juntado à brigada “deixe rasgar”, nos primeiros 18 meses da pandemia, os liberais federais tentaram transformar esses dois primeiros-ministros na personificação de medidas de saúde pública “ditatoriais”. Apesar das manchetes e da raiva das turbas mobilizadas pela “liberdade”, a eleição mostrou que o suposto ódio implacável às medidas de saúde pública não contou com a adesão do eleitorado.

Protesto anti-vacina e bloqueio em Melbourne, em 2021.

O fracasso dos partidos de extrema direita em conseguir votos foi além do UAP. Pauline Hanson e seu “One Nation Party” que tem recebido publicidade gratuita da imprensa burguesa para promover o ódio às minorias por quase trinta anos foi quase derrotado em seus esforços para entrar na Câmara Alta (Senado) pelo Partido Legalize Cannabis!

A seção da classe dominante que está procurando promover o governo de extrema direita como resposta à crescente crise econômica e conduzir à guerra mundial imperialista precisará redobrar os esforços para construir tal movimento fora do Parlamento ou tentar salvar o Partido Liberal para esse projeto.

Embora a eleição tenha sido um desastre para o Partido Liberal, a trajetória de esquerda do eleitorado não resultou em uma virada para o ALP. Isso não é uma surpresa, dada a sua campanha de direita, que não ofereceu concessões significativas à classe trabalhadora. Na verdade, a votação primária do Partido Trabalhista caiu ligeiramente em relação à última eleição e eles receberam pouco mais de trinta por cento dos votos. Foi só porque eles se saíram melhor do que os liberais em tantos assentos em preferências que eles ganharam assentos suficientes para formar governo. A votação primária combinada para o Partido Trabalhista e Liberal atingiu sua baixa histórica nesta eleição. Está claro que o domínio do sistema bipartidário na Austrália está desmoronando depois de ser a base do governo burguês por mais de cem anos.

O novo Primeiro-ministro da ALP, Anthony Albanese, de esquerda, já com Biden, na reunião do QUAD, logo após ser empossado.

A propriedade da imprensa australiana está concentrada nas mãos de um pequeno número de empresas, incluindo oligarcas de direita como Kerry Stokes e Rupert Murdoch. A cobertura enviesada da imprensa burguesa ao longo da eleição indicou que a maioria da classe dominante era a favor da continuidade do governo de direita de Morrison sobre a volta da esquerda com o trabalhismo do ALP. Não porque houvesse qualquer dúvida sobre o compromisso do Partido Trabalhista com o mercado, com a austeridade ou com a ofensiva de guerra dos EUA, mas porque se sentiu que um governo liberal de extrema-direita estaria em melhor posição para lidar com a inevitável reação da classe trabalhadora à esta agenda. Mesmo durante a campanha eleitoral a questão da inflação e do custo de vida ganhou destaque com a taxa de inflação atingindo 5,1%, as taxas de juros aumentando, o preço da gasolina dispara e a habitação continua inacessível. O risco para a classe dominante é que a ALP e os burocratas sindicais não consigam conter as demandas dos trabalhadores à medida que entram cada vez mais nas lutas industriais. A resposta da imprensa burguesa à eleição foi decididamente silenciada, o que reflete a confusão em suas fileiras sobre como responder à mudança do cenário eleitoral.

Anthony Albanese é agora o 8º primeiro- ministro australiano em 15 anos. A instabilidade no governo tem sido um produto de divisões na classe dominante sobre como melhor controlar os trabalhadores (esmagar sindicatos ou cooptá-los através da burocracia), mudança climática (carvão versus energia renovável) e China (como negociar com a China enquanto apoia a unidade dirigida pelos EUA em favor da guerra).

É improvável que o governo Albanese seja capaz de lidar com qualquer uma dessas tensões com sucesso. Apesar de suas manifestações, em um momento de crise econômica, não é possível aumentar os salários e os lucros. Não é possível manter os lucros da indústria de combustíveis fósseis e fazer uma transição rápida para as energias renováveis. E não é possível equilibrar-se em uma guerra com seu principal parceiro comercial sem causar caos!

A contradição entre a relação comercial da Austrália com a China e sua aliança de segurança com os EUA levou o imperialismo norte-americano e seus agentes a ajudar a promover dois recentes golpes parlamentares. Em 2010, o primeiro-ministro da ALP, Kevin Rudd, foi removido por seu próprio partido e substituído por Julia Gillard pouco antes do anúncio do Pivot para a Ásia por Obama no plenário do Parlamento australiano. Embora todas as facções da classe dominante australiana apoiem a aliança dos EUA, Rudd representou a facção que desejava acomodar a ascensão da China no Pacífico de alguma forma limitada. Como o Wikileaks revelou, as figuras seniores do ALP por trás da remoção de Rudd eram efetivamente ativos dos EUA .

Da mesma forma, Malcolm Turnbull foi removido em 2018 por seu próprio partido e substituído por Scott Morrison. Turnbull também foi criticado por ser “suave” com a China. Aquele golpe tinha as impressões digitais de Rupert Murdoch por toda parte. Murdoch possui seções importantes da imprensa australiana, bem como sua rede de mídia no Reino Unido e nos EUA, incluindo a Fox News, que ele também usou para promover intrigas reacionárias para beneficiar o imperialismo dos EUA, como o Brexit e a eleição de Trump.

O imperialismo dos EUA e a CIA prestam muita atenção à política australiana por causa de seu papel fundamental. Biden, Johnson e Morrison acabaram de assinar o Tratado AUKUS para lançar as bases para uma Guerra Mundial contra o estado operário deformado da China. A Austrália tem bases importantes dos EUA, incluindo a base de espionagem Pine Gap, que ajuda a orientar os principais elementos da máquina de guerra dos EUA. A Austrália participou de todas as grandes e sangrentas guerras imperialistas dos EUA desde a Segunda Guerra Mundial. É o contexto da Austrália como um aliado chave do imperialismo dos EUA que dá à eleição um significado mais amplo para o proletariado internacional.
Obama anuncia o pivô para a Ásia do Parlamento australiano em 2011

As relações de classe de volatilidade dentro do país só se aprofundarão nos próximos anos. O governo ALP sob Albanese é fraco. Ele tem uma maioria tênue por trás de uma votação primária muito baixa. Como outras forças socialdemocratas falidas internacionalmente, servirá impiedosamente seus senhores burgueses em tempos de crise às custas da classe trabalhadora, em favor da extrema direita dentro e fora do Parlamento. A ausência de partidos marxistas de massa na Austrália é, obviamente, um fator material nesta crise em curso. Esforços devem ser feitos para transformar a trajetória de esquerda do eleitorado em um aumento no nível do espírito de luta consciente de classe da classe trabalhadora australiana.

Nenhum comentário