Manchetes do dia

Grã Bretanha: O Ascenso da Luta Palestina e as Debilidades da Esquerda

O movimento de massas na Grã-Bretanha e pontos fracos da esquerda

Consistent Democrats - Grã Bretanha

Nossos camaradas da Fração Trotskista (seção britânica do Comitê de Ligação pela IV Internacional, CLQI. Em inglês: LCFI) participaram de quatro grandes manifestações em Londres em solidariedade aos palestinos durante aquele período de 11 dias. É notável que nas três primeiros, a esquerda britânica foi muito sub-representada em comparação com sua participação em eventos onde outras questões foram o foco. As manifestações foram predominantemente de muçulmanos, sul-asiáticos e árabes.

A nossa literatura partidária (em nossa primeira apresentação, pois nossa existência como grupo independente teve início durante a pandemia) vendeu bem, pois havia relativamente poucos grupos de esquerda vendendo sua literatura. Mas na maior manifestação, em 22 de maio, havia muitos mais militantes de esquerda presentes, que embora bem-vindos, de alguma forma inundaram os presentes com literatura de esquerda e nosso material era muito mais difícil de vender assim como as outras publicações de esquerda à venda.

A relutância dos maiores batalhões da esquerda britânica em participar dessas manifestações enquanto os foguetes e as ações de massas aconteciam na Palestina, reflete uma certa rejeição em relação a um movimento que era muito composto de muçulmanos e um grau de atraso islamofóbico latente na esquerda britânica, que precisa ser superado politicamente.

Outro desafortunado subproduto do revés israelense é que há sinais de desconforto por parte de alguns esquerdistas pró-Palestina aparentemente vigorosos quanto ao poder absoluto desse movimento de massas e seu potencial para derrotar o sionismo. Em um caso recente - não vamos citar nomes aqui, já que uma polêmica pessoal não é o centro dessa análise - um esquerdista de longa data, ele mesmo injustamente suspenso do Partido Trabalhista, removeu um comentário de um de nossos camaradas no Facebook contendo referências a comentários de alguns proeminentes Sobreviventes judeus do genocídio nazista, comparando o comportamento israelense aos nazistas. Essas comparações foram consideradas anti-semitas. Mas isso não se encaixa na definição de anti-semitismo do dicionário, embora deva constar na pseudo-definição da International Holocaust Remembrance Alliance (IHRA) com seus 'exemplos' fraudulentos (que, ao que parece, nunca foram realmente endossados ​​pela IHRA!

Houve outros incidentes de tipo semelhante, onde dedicados ativistas da Palestina reprovaram outros por manifestarem a ideia de que hoje os judeus são um grupo 'privilegiado'. Mas se os judeus são um grupo privilegiado em relação a outros grupos étnicos na sociedade capitalista de hoje, ou se Israel se comporta de maneira genocida comparável aos nazistas, são questões que podem ser investigadas empiricamente, e as respostas são questões de determinação factual. Nada a ver com racismo ou anti-semitismo, e os fatos falam a favor de ambas as proposições.

Esperamos que essa fraqueza possa ser superada. Há uma considerável raiva entre os árabes e muçulmanos sobre crimes sionistas, mas nada entre eles, que é comparável ao anti-semitismo dos séculos XIX e XX. Existem boas razões materiais para isso. O anti-semitismo hitleriano e czarista eram ideologias imperialistas, reflexos dos preconceitos do imperialismo russo pré-revolucionário e da tentativa reacionária de preservar a autocracia czarista, ou hostilidade imperialista da Alemanha ao comunismo e à crença então generalizada, agora dissipada (amplamente dissipada pelo sionismo , ironicamente) que os judeus eram de alguma forma intrinsecamente revolucionários e hostis ao capitalismo e ao imperialismo.

Considerando que nunca houve e não há poder imperialista na Terra, no sentido moderno, capitalista monopolista, de cultura islâmica, mesmo aqueles elementos de ideologia entre os muçulmanos que de alguma forma confundem sionismo com ser judeu, essas não são expressões ideológicas de um projeto predatório e imperialista como o nazismo, mas simplesmente expressões unilaterais de reação a experiências de opressão nas mãos dos judeus sionistas, que afirmam (com o apoio de praticamente toda a burguesia imperialista) representar os judeus em geral.

Nossa atitude em relação a este movimento, e em particular seu grande componente com uma cultura muçulmana, deve ser semelhante à exposta por Trotsky em uma pequena mas muito importante carta de 1932, sobre a abordagem da Quarta Internacional aos militantes de nações oprimidas pelo imperialismo :


“Quando dez intelectuais, seja em Paris, Berlim ou Nova York, que já foram membros de várias organizações, se dirigem a nós com um pedido para serem acolhidos em nosso meio, eu daria o seguinte conselho: coloque-os em uma série de testes em todas as questões programáticas; molhe-os na chuva, seque-os ao sol e, depois de um novo e cuidadoso exame, aceite talvez um ou dois.

“O caso muda radicalmente quando dez trabalhadores ligados às massas se voltam para nós. A diferença de atitude em relação a um grupo pequeno-burguês e ao grupo proletário não requer explicação. Mas se um grupo proletário funciona em uma área onde há trabalhadores de diferentes raças e, apesar disso, permanece composto apenas por trabalhadores de uma nacionalidade privilegiada, então estou inclinado a vê-los com suspeita. Não estamos lidando talvez com a aristocracia operária? O grupo não está infectado com preconceitos escravistas, ativos ou passivos?

“É uma questão totalmente diferente quando somos abordados por um grupo de trabalhadores negros. Aqui, estou preparado para supor de antemão que chegaremos a um acordo com eles, mesmo que tal acordo ainda não seja real. Porque os trabalhadores negros, em virtude de toda a sua posição, não se esforçam e não podem se esforçar para degradar ninguém, oprimir ninguém, ou privar alguém de seus direitos. Eles não buscam privilégios e não podem ascender, exceto no caminho da revolução internacional.

“Podemos e devemos encontrar um caminho para a consciência dos trabalhadores negros, dos trabalhadores chineses, dos trabalhadores indianos e de todos os oprimidos no oceano humano das raças de cor, às quais pertence a palavra decisiva no desenvolvimento da humanidade.” Leon Trotsky, Closer to the Proletarians of the Colored Races, julho de 1932.

Apesar das diferenças de tempo, localização, situação, e até mesmo alguns 
linguagem arcaica do século 20 na passagem citada, não obscurecem o ponto. Este movimento não deve ser temido, mas sim abraçado, politizado e revolucionado. A brandura latente acerca do sionismo e o medo das massas muçulmanas que é generalizado na esquerda britânica e ocidental não devem ser impeditivos para empurrar este movimento para a frente, um movimento que tem enorme potencial de classe para a luta para derrotar o sionismo e o imperialismo e impulsionar a luta pelo socialismo e pela revolução.

Nenhum comentário