Manchetes do dia

Fora o Imperialismo da América Latina, em Defesa de Cuba!

Não à ofensiva imperialista na América Latina, pela defesa incondicional do Estado operário cubano!

Declaração do Comitê de Ligação para a Quarta Internacional

1. A contra-ofensiva geopolítica dos EUA

Na mesma semana, dois eventos inéditos aconteceram no Caribe. Em primeiro lugar, houve o assassinato do presidente haitiano, Moïse, que gerou um caos social no país. Em seguida, houve protestos sincronizados em várias cidades de Cuba e dos Estados Unidos contra o governo cubano.

Em ambos os casos, grande parte da mídia capitalista internacional está invocando a intervenção humanitária. Isso aconteceu poucos dias depois da visita do “número 1” da CIA, William Burns, aos governos de Ivan Duque e Jair Bolsonaro, agentes do imperialismo que têm enfrentado lutas populares massivas. A política norte-americana de dominação continental enfrenta outros sérios desafios, desde a virada pró-eurasiana do governo Nayibe Bukele em El Salvador e a vitória eleitoral da esquerda sob Pedro Castillo no Peru.

Depois das Bahamas, a 21 km de Cuba, o Haiti tem o território mais próximo de Cuba a apenas 77 km. Claro, portanto, sem esquecer os recursos minerais do Haiti, como a bauxita e as reservas de ouro. O imperialismo norte-americano, em sua fase 'progressista' sob Biden / Harris, está abrindo um posto avançado para ameaçar Cuba via Haiti com a justificativa desgastada de intervenção humanitária. Embora a operação real para assassinar um presidente apoiado pelos EUA pareça uma operação de um rival doméstico exilado de Moïse, usando forças mercenárias colombianas e estadunidenses que estavam disponíveis no mercado, os EUA não estão dispostos a perder uma oportunidade de explorar tal evento para sua própria vantagem geoestratégica:

“Em meio à crise social e política que o Haiti enfrenta atualmente, após o assassinato do presidente Jovenel Moïse, o governo interino daquele país pediu ao presidente Joe Biden que enviasse uma comissão de funcionários dos EUA para apoiar a transição.

O próprio Pentágono reconhece que os agentes mercenários que assassinaram Moise eram colombianos treinados pelos militares dos EUA, informantes diretos da DEA e do FBI. A operação é muito parecida com a realizada por mercenários que em maio de 2020 também deixaram a Colômbia para tentar invadir a Venezuela de barco. Na época, os invasores foram presos e desarmados por pescadores venezuelanos. Não é segredo que a Colômbia é a plataforma militar dos Estados Unidos mais importante na América do Sul, especialmente contra a Venezuela e Cuba.

O Chefe de Estado dos Estados Unidos indicou que enviará a delegação ao país caribenho, que também incluirá tropas, investigadores e pessoal de segurança dos Estados Unidos, para garantir a ordem pública, abalada há vários meses, primeiro por protestos contra o próprio Moise e depois, por tudo o que resultou de sua morte. 

https: // www. Semana.com/mundo/articulo/estados-unidos-envio-una-comision-a-haiti-por-solicitud-del-gobierno-interino/202143/

Ou seja, aproveitando a crise política provocada pelo assassinato de Jovenel Moïse. O governo provisório que o sucede pede a intervenção do imperialismo norte-americano, ao que responde afirmativamente e inclui o envio de tropas e investigadores. Portanto, é claro que uma nova intervenção imperialista no Haiti está sendo preparada por seus agentes locais.

Isso está acontecendo no Haiti ao mesmo tempo em que as mobilizações gusanas acontecem em Cuba para iniciar uma guerra híbrida contra o Estado operário cubano. Isso é fortuito, para dizer o mínimo, e não coincidência. Certamente, o efeito é o mesmo. A questão cubana e a exploração da crise haitiana devem, portanto, ser vistas como partes de uma tentativa do imperialismo norte-americano sob Biden-Harris de assumir o controle de sua área de influência geoestratégica imediata: o Caribe e a América Central.

Deve-se notar que as mobilizações gusanas em Cuba se baseiam em uma operação de guerra híbrida lançada através das redes sociais. Uma figura-chave é o argentino Agustín Antonetti, que faz parte da Libertad Foundation, de direita, que já participou de operações anteriores que impulsionaram o golpe de direita na Bolívia contra o populista de esquerda Evo Morales, e operações contra a liberal. governo populista de López Obrador no México. (ver: http://www.cubadebate.cu/noticias/2021/07/12/investigacion-confirma-la-perversa-operacion-de-redes-sociales-contra-cuba-lanzada-desde-el-exterior/)

É dever de todos aqueles que se dizem lutadores populares e operários mobilizar-se contra as manobras imperialistas no Caribe que hoje visam Cuba e o Haiti.

Como parte de sua ofensiva continental, a CIA se reuniu no início deste mês com Bolsonaro, o alto comando das Forças Armadas brasileiras e a Agência Brasileira de Inteligência para fornecer orientação. William Burns fez uma visita com propósito semelhante à Colômbia, que, como o Brasil, foi abalada por manifestações de oposição em massa da classe trabalhadora.

É preciso dizer que isso representa uma mudança de atitude do governo Biden-Harris. Imediatamente após sua chegada ao poder em janeiro, durante um conflito profundo que culminou na invasão do Capitólio pelos Trumpistas, o governo Biden-Harris tentou deslocar líderes na América Latina que haviam sido fantoches de Trump. No entanto, a Casa Branca teve que revisar essa política depois que o tiro saiu pela culatra em El Salvador. Sob a ameaça de ser derrubado pela pressão dos EUA, o presidente salvadorenho Bukele aliou-se imediatamente à China e à Rússia no cenário internacional. (consulte o site da Tendência Militante Bolchevique)

É neste contexto, após a virada de Bukele, que o governo Biden-Harris deu uma guinada após sua manobra fracassada em El Salvador, e procurou aprofundar as relações com ex-fantoches de Trump, como Duque e Bolsonaro, e utilizá-los em sua atual ofensiva continental.

A derrota eleitoral da direita no Peru foi o salto qualitativo nesse sentido após o revés em El Salvador, obrigando a Casa Branca a não mais querer se livrar dos trumpistas, mas guiá-los, preservá-los da fúria popular, e por meio deles, defender suas semicolônias latino-americanas contra a influência da China, Rússia, Venezuela e Cuba. Vale lembrar que os reveses do imperialismo começaram com o fracasso das tentativas de golpe na Venezuela e a reversão do golpe na Bolívia em 2020.

Como parte dessa ofensiva está a manipulação da oposição gusana dentro de Cuba, a alimentação do intervencionismo no Haiti, o aprofundamento das relações entre o imperialismo norte-americano e seus colaboradores semicoloniais no Brasil. Também faz parte dessa ofensiva a política de pressão e desgaste contra a vitória eleitoral de Pedro Castillo no Peru, para evitar que o Pacífico se tornasse a rota da seda da América do Sul, possibilitando uma rota transoceânica entre Argentina e Peru, passando pela Bolívia, três países que se distanciaram a influência dos EUA e aproximou a China e a Rússia em suas relações comerciais e diplomáticas.

2. Defender a Revolução Cubana!

Particularmente importante nesta situação é a defesa da Revolução Cubana. A revolta em Cuba é o resultado de forças gusanas pró-EUA explorando um grau de descontentamento social decorrente das décadas de bloqueio dos EUA contra Cuba, descontentamento social que foi exacerbado pela pandemia. Cuba possui algumas das melhores instalações médicas do mundo, devido à completa socialização de seu sistema de saúde. Seu histórico de mortalidade infantil, um índice chave de progresso social, tem sido frequentemente melhor do que o dos Estados Unidos, o que é incrível, dado que os EUA são o país mais rico do mundo e Cuba é apenas uma nação insular bastante pobre e offshore com recursos comparativamente escassos.

Fidel Castro (à esquerda), atual presidente cubano Miguel Diaz-Canel (ao centro), Raul Castro (à direita)

Isso porque, ao contrário de qualquer outro governo de esquerda e de esquerda na América Latina, em 1960-61 Cuba expropriou sua burguesia e consolidou um grau elementar de planejamento econômico como base de sua economia, criando assim um Estado operário deformado. Foi criado por uma aliança do movimento guerrilheiro nacionalista liberal de esquerda do Movimento 26 de Julho (M-26) e elementos da classe trabalhadora simpática do Partido Popular Socialista, o PC pró-Moscou em Cuba na época, na luta contra o venal ditadura de Batista pró-EUA. A greve geral que finalmente derrubou Batista no final de 1958 fez com que praticamente todo o seu exército fugisse, destruindo o próprio Estado capitalista e dando aos guerrilheiros do Movimento 26 de Julho o monopólio do poder armado.

Consideramos essa expropriação como o maior ganho que a classe trabalhadora alcançou até agora no Hemisfério Ocidental, e sua defesa o maior dever dos trabalhadores com consciência de classe em todo o mundo.

Sobreviveu a grandes dificuldades. Por mais de 30 anos, a aliança de Cuba com a URSS proporcionou-lhe um meio de neutralizar o bloqueio do imperialismo contra ela. Mas com o colapso da URSS e do bloco soviético em 1991, foi privado dessa ajuda. Como resultado, passou por um 'período especial' na década de 1990, de grandes dificuldades e sofrimentos, mas escapou de parte de seu isolamento com a ascensão do populismo de esquerda em outras partes da América Latina, Chávez na Venezuela, Morales na Bolívia, Correa em Equador. Ao mesmo tempo, sob constante pressão econômica do imperialismo, o governo cubano fez concessões ao capitalismo em casa, legalizando o uso de dólares americanos como moeda por aqueles que podem pagar, o que por sua vez aprofundou a polarização de classes e a base social para movimentos contra-revolucionários. A última dificuldade que causou problemas é a pandemia de Covid-19. Embora o avançado sistema de saúde de Cuba a tenha levado a desenvolver suas próprias vacinas, e para dar ajuda a outros países que lutavam com a pandemia nas fases anteriores (mesmo a Itália imperialista teve ajuda cubana!), no entanto, a falta de recursos causou problemas, e novas variantes mais infecciosas vindas do exterior pioraram as coisas. O descontentamento social com o ritmo lento da vacinação tem sido explorado politicamente pelos gusanos nesta crise.  

Cuba é um estado operário deformadoSua direção é conscientemente não internacionalista e não vê a salvação da revolução cubana na extensão da revolução socialista em todo o mundo. Embora tenha uma origem política um tanto diferente dos regimes stalinistas mais convencionais, e muito maior apoio popular e legitimidade do que muitos desses regimes, o regime cubano é fundamentalmente como os regimes stalinistas. É nacionalista, não internacionalista, e procura encontrar formas de coexistir com o imperialismo. As concessões ao capitalismo estão inseridas na lógica desse tipo de política. Também suprime a democracia operária, não apenas por medo de que o sentimento de esquerda baseado nas massas que existe em sua base dê origem a tendências "ultralesquerdistas" que buscam uma revolução internacional.

Assim, apesar de todo o seu esquerdismo, personificado pelas tentativas heróicas de Guevara para libertar outras partes da América Latina do domínio dos Estados Unidos (que lhe custou a vida), no entanto, no início dos anos 1960, Guevara mandou destruir as pranchas de impressão de uma edição cubana da Revolução Permanente de Trotsky, precisamente porque esta conscientemente elabora um programa de revolução mundial. Portanto, buscamos uma revolução política proletária em Cuba, para substituir a direção burocrática de esquerda dos irmãos Castro, e agora de Miguel Díaz-Canel, com um governo de conselhos de trabalhadores (sovietes) e uma direção comprometida com a democracia operária e a revolução mundial. Mas a pré-condição para tal avanço em Cuba é a defesa das conquistas da revolução cubana contra o ataque imperialista e a contra-revolução interna, que trabalham de mãos dadas, como mostra a experiência.

Um grupo à esquerda do governo cubano fez uma caracterização notável das divisões em Cuba que surgiram nesta crise:

“Quem saiu para protestar contra o Estado e o socialismo em Cuba foi o povo. Podemos até assegurar que muitos pertencem à parte do povo que mais sofreu com os efeitos da crise do que a pandemia, o bloqueio, as novas sanções norte-americanas e a gestão desesperada e insuficiente do que podemos alcançar, no em meio a tanta escassez e problemas. acumulado, eles provocaram. Eles também são a parte da população mais prejudicada pelo inevitável aumento da desigualdade social com que o avanço das reformas de mercado dilacerou e segmentou nossa sociedade. Ousamos inclusive assegurar que essas múltiplas desigualdades, às vezes invisíveis, mas sempre sentidas e tão prejudiciais à justiça social, produziram uma desconexão. Uma desconexão entre aqueles que gritavam “Pátria e Vida” nas ruas, e o projeto revolucionário. E essa desconexão, que sempre deixa um certo sentimento de abandono, de orfandade política e econômica, mais cedo ou mais tarde se transformou em rancor e até ódio.

“Se ignorarmos esta complexidade, se simplesmente pensarmos que são“ bandidos ”ou“ marginais ”, se resistirmos a compreender os processos de marginalização e se não reconhecermos as dívidas com os mais humildes do interior da nossa sociedade, nós nunca vai entender o que aconteceu naquele domingo.

[…]

“No domingo não houve confronto entre o povo e o Estado como forças básicas - embora mais de um teórico gaste tinta tentando provar isso. No domingo houve um confronto entre duas partes do povo, entre dois projetos: uma parte que sucumbiu, que se rendeu, à agenda daqueles que sempre tentaram justamente entregá-los por fome e necessidade, e que estão dispostos renunciar à soberania e ao socialismo porque entendem, ou percebem, não só que não têm mais nada a perder, mas que não têm mais nada a ganhar e, por outro lado, a parte do povo que não quer renunciar ou o projeto revolucionário que construíram por gerações ou a legalidade da Constituição socialista pela qual votaram democraticamente, nem da sociedade emancipada que imaginam em seu futuro para além do atual Estado herdeiro da Revolução e suas carências. Engana-se quem acredita que só os militares, os dirigentes e os titulares do MLC têm motivos para defender o socialismo. Milhões de pessoas em Cuba hoje não estão dispostas a perder uma sociedade pacífica, um projeto de justiça social e uma dignidade nacional que só deu a este povo, a todos eles, uma Revolução que não se esgota no que foi conquistado, mas deve abrir novos caminhos. ”

https://medium.com/la-tiza/tendremos-que-volver-al-futuro-21721dc2ffaa

Essa deveria ser a orientação básica dos internacionalistas revolucionários, dos trotskistas, na atual situação cubana - para os setores avançados das massas, que também se mobilizaram, em massas ainda maiores do que as mobilizadas pelos gusanos, para defender a revolução. Uma revolução política proletária em Cuba deve partir dos setores avançados das massas, não dos elementos atrasados ​​que estão abertos a serem liderados pelos gusanosUma revolução política proletária em Cuba exigiria mais socialismo, não menos!

Movimento 26 de julho assume o poder em Cuba, janeiro de 1959

A Tendência Marxista Internacional (CMI em português), tendência historicamente liderada por Ted Grant, hoje por Alan Woods e Rob Sewell (que tem como seção no Brasil a Esquerda Marxista do PSOL), diz algumas coisas semelhantes de um ponto de vista que soa mais formalmente trotskista:

“Claramente, houve um componente genuíno no protesto em San Antonio (algo que o próprio presidente Díaz-Canel mais tarde reconheceu) que surgiu das dificuldades reais enfrentadas pelo povo. Os slogans que levaram centenas de pessoas às ruas de San Antonio foram “queremos vacinas” e a exigência de uma solução para os seus problemas imediatos, que foi encaminhada às autoridades locais.

“Mas seríamos cegos se não víssemos que também existe outro fator. Há dias há uma intensa campanha orquestrada por elementos contra-revolucionários nas redes sociais sob o slogan #SOSCuba. A campanha tem dois objetivos. Um, tentar criar um levante social, protestos nas ruas, por meio da divulgação de informações exageradas, tendenciosas ou diretamente falsas (por exemplo, sobre a situação de saúde em Matanzas, a área mais afetada pela pandemia) e o chamado abstrato de protesto em as ruas. Dois, com a desculpa da situação de emergência sanitária (em parte real, em parte exagerada) para promover a ideia da necessidade de uma 'intervenção humanitária' de potências estrangeiras para 'ajudar Cuba'.

A hipocrisia das personalidades (artistas, músicos, etc.) que promoveram a campanha é incrível. Onde estava a campanha a favor de uma 'intervenção internacional' no Brasil, ou Peru, ou Equador - todos os países que sofreram taxas de mortalidade da Covid-19 10, 20 ou 50 vezes mais altas do que Cuba?

Esta campanha hipócrita é uma tentativa clara de justificar uma intervenção imperialista estrangeira contra a revolução, sob a capa de ajuda humanitária. Já vimos isso antes, na Líbia, na Venezuela, no Iraque. Sabemos o que realmente está por trás dessas chamadas 'intervenções humanitárias': o imperialismo. Não poderíamos imaginar um grau maior de cinismo. As mesmas potências que bloqueiam Cuba, que a impedem de negociar no mercado mundial, de comprar remédios e insumos para fabricá-los, exigem agora do governo cubano a abertura de um 'corredor humanitário'! ”

 https://www.marxist.com/protests-in-cuba-defend-the-revolution.htm?fbclid=IwAR1aj6qHd-RGAOF09_dAITjCqMUbpi2vSaMO4E3b7FGEe0ayfomIGZT3JaQ
É bom recordar que a CMI apoiou a "revolução líbia", fachada da intervenção imperialista que agora critica (ver A QUESTÃO LÍBIA E O REVISIONISMO DA CMI). Eles tiram algumas conclusões necessárias, com as quais concordamos:

“Diante dessa situação, que posição devemos assumir como revolucionários? Em primeiro lugar, há que explicar claramente que os protestos convocados por Luis Manuel Otero Alcántara e outros elementos relacionados são abertamente contrarevolucionários, embora procurem capitalizar um mal-estar que emana das difíceis condições objetivas. Os problemas e dificuldades são reais e genuínos. Mas os protestos, sob os lemas “Pátria e Vida” e “Abaixo a ditadura”, são contrarevolucionários. Existem elementos confusos participando, com certeza. Mas em meio à confusão, é inevitável que aqueles que dominam esses protestos sejam, do ponto de vista político, contrarevolucionários. Eles são organizados, motivados e têm objetivos claros. Portanto, é necessário se opor a eles e defender a revolução. Se aqueles que promovem estes protestos (e seus mentores em Washington) atingirem seu objetivo - a derrubada da revolução - os problemas econômicos e de saúde da classe trabalhadora cubana não serão resolvidos, pelo contrário, serão agravados. Basta olhar para o Brasil de Bolsonaro ou para o vizinho Haiti para se convencer disso ”.

ibid

O artigo deles conclui com estes slogans corretos:

“Defenda a revolução cubana!

Abaixo o bloqueio imperialista - tire as mãos de Cuba!

Não à restauração capitalista - por mais socialismo!

Contra a burocracia - pela democracia dos trabalhadores e controle dos trabalhadores! ”

ibid

O principal desacordo que temos com isso é que não clama explicitamente por uma revolução política proletária e um regime de sovietes. Embora tais demandas apontem nessa direção.

Este artigo foi corretamente elogiado pela esquerda internacional por incorporar uma  perspectivasocialista. Inclusive por esquerdistas que não quiseram traçar uma linha clara contra a contrarevolução. É uma pena que os camaradas do IMT não tenham assumido até agora os porretes polêmicos contra essas pessoas de esquerda. Na verdade, eles podem tender a considerar tal polêmica como 'sectária'. Mas é necessário porque aqueles que confundem a linha de classe nessas questões também têm influência, podem enganar os trabalhadores em Cuba e fora dela e, portanto, representar perigos para a classe trabalhadora e a revolução e, portanto, devem ser desmascarados.

Todavia, não poderíamos esperar uma posição muito principista do IMT. A corrente de Allan Woods apoiou o mesmo tipo de guerra híbrida do imperialismo, agora realizada contra Cuba, quando a CIA impulsionou protestos contra governos adversários do imperialismo na Líbia, Síria, Hong Kong, Bielorússia.

Frank García Hernández

Por exemplo, há uma petição com muitas assinaturas sendo distribuída pelos apoiadores da tendência socialista internacional Cliffista intitulada “Libertem Frank García Hernández e seus camaradas” que diz que os signatários são:

“… Muito preocupado ao saber da prisão durante uma marcha de protesto em Havana em 11 de julho de Frank García Hernández, historiador e marxista cubano, Leonardo Romero Negrín, jovem socialista estudando física na Universidade de Havana, Maykel González Vivero, diretor de Tremenda Nota e Marcos Antonio Pérez Fernández, estudante pré-universitário. Frank García Hernández é um importante estudioso que alcançou reputação mundial por seu trabalho na reavaliação da história da esquerda cubana e na organização de um congresso internacional sobre Trotsky em Havana em 2019.

Apelamos à libertação incondicional de Frank e de todos os seus camaradas e ao respeito pelos direitos democráticos de todo o povo cubano ”.

https://socialistworkersleague.org/2021/07/14/release-frank-garcia-hernandez-and-his-comrades/?fbclid=IwAR16I3Mr_g-4-NX5eITGgJpAnxoWdihViautwBw_rvyrVBzbBhqYxrEf8n

A petição não detalha a manifestação que García Hernández e seus companheiros estavam marchando. Mas uma pista pode ser encontrada em um comunicado do SEP (World Socialist Web Site) dos Estados Unidos, que também exige a libertação de García Hernández:

“O Partido da Igualdade Socialista (EUA) exige a libertação imediata de Frank García Hernández da prisão domiciliar do governo cubano. García Hernández, um marxista declarado associado ao coletivo Comunistas Blog, foi preso no domingo durante protestos históricos contra a crise econômica e o agravamento da pandemia COVID-19. ”

https://www.wsws.org/en/articles/2021/07/16/cuba-j16.html

A partir disso, torna-se claro que a manifestação em que foram presos foi aquela organizada pelas forças gusanas sob o lema “Pátria e Vida” apelando à “intervenção humanitária”, que o grupo La Tiza justamente disse ser.

“Uma parte que sucumbiu, que se rendeu à agenda daqueles que sempre tentaram justamente se render por fome e necessidade, e que estão dispostos a renunciar… à soberania e ao socialismo”.

op-cit, veja antes

Este é um erro sério e estratégico por parte desses esquerdistas, de acordo com a política da tendência de Cliff, de quem eles são obviamente aliados, que se rendeu ao anticomunismo já na guerra da Coréia em 1950. Enquanto nós estamos a favor do As normas da democracia operária e não são a favor de suprimir seus pontos de vista com a prisão ou pior, no entanto, ao marchar com os mobilizados pelos gusanos contra o governo cubano estão cometendo um grave erro estratégico e suas atividades devem ser condenadas.

A tendência de Cliff sempre negou que houvesse qualquer tipo de revolução social em Cuba, definindo Cuba como 'capitalista de estado' e, portanto, recusou-se a defendê-la do imperialismo. Na verdade, eles celebraram o colapso contra-revolucionário do stalinismo na URSS em 1991 com a manchete “O comunismo entrou em colapso. Deve haver alegria para todos os socialistas. ” Provavelmente seria uma ilusão para eles melhorarem esta posição terrível em relação a um movimento reacionário em Cuba.

Fluindo disso, temos o absurdo da petição de Cliffite citando comentários de Rosa Luxemburgo nos primeiros anos da Revolução Russa:

“Liberdade apenas para os partidários do governo, apenas para os membros de um partido - por mais numerosos que sejam - não é liberdade de forma alguma. Liberdade é sempre e exclusivamente liberdade para quem pensa diferente. Não por causa de qualquer conceito fanático de 'justiça', mas porque tudo o que é instrutivo, saudável e purificador na liberdade política depende dessa característica essencial, e sua eficácia desaparece quando a 'liberdade' se torna um privilégio especial. ”

op-cit, https://socialistworkersleague.org/

Rosa Luxemburgo se enganou quando escreveu estas observações censurando os bolcheviques por supostamente violarem a democracia operária em 1918. Mesmo sendo uma marxista e internacionalista consciente, ela parecia não entender a natureza assassina da oposição que os bolcheviques enfrentavam e a traição de até mesmo seus oponentes social-democratas dentro do movimento dos trabalhadores, que estavam preparados para se aliar a tais forças assassinas. Tragicamente, a própria Rosa foi vítima de forças assassinas equivalentes na Alemanha em janeiro de 1919, o que coloca uma perspectiva um tanto diferente em suas críticas.

Mas é muito mais bizarro dizer isso em Cuba hoje. A quem se destina? O governo cubano? Isso pareceria implicar que o regime cubano pode ser de alguma forma equiparado ao governo soviético conscientemente revolucionário e internacionalista de Lênin em 1918. Mas é claro, eles não acreditam nisso. Eles estão usando o erro de Rosa Luxemburgo para conquistar o favor de quaisquer elementos social-democratas do movimento gusano por sua visão de 'socialismo' sem qualquer repressão desagradável das forças burguesas que se dizem 'democráticas'. Mas eles provavelmente serão perdedores lá, como o gusanomovimento será obviamente dominado por forças muito à direita desse tipo de utopia social-democrata. Não é apenas oportunismo: é oportunismo suicida para qualquer tipo de esquerda pró-socialista se engajar em blocos com os gusanos .

O mesmo é verdade para a tendência de David North, que apesar de suas pretensões de trotskismo ortodoxo, sempre negou que a revolução cubana criou qualquer tipo de estado operário. Eles seguem os passos de Gerry Healy, que na década de 1960 afirmou que a burguesia cubana ainda estava no poder, mas era de alguma forma "fraca". Na Conferência de Londres de Healyites em 1966 do “Comitê Internacional da Quarta Internacional”, o fundador dos espartaquistas, James Robertson, foi expulso sem cerimônia depois de zombar da posição de Healy sobre Cuba, por zombar de que “Se a burguesia cubana é de fato 'fraca' como afirma o CI, só se pode observar que deve estar cansado da longa nadada até Miami, FLA [Flórida] ”. Está claro por escritos mais recentes que o WSWS ainda rejeita a ideia de que Cuba seja qualquer tipo de Estado operário e, portanto, negar que haja qualquer revolução a defender. Portanto, é completamente lógico que sua propaganda em torno disso se assemelhe à dos Cliffites, que eles denunciam como os piores renegados do trotskismo.

A defesa de Cuba, como um dos dois únicos estados operários deformados sobreviventes (sendo o outro a Coreia do Norte), ainda é uma responsabilidade central dos trotskistas genuínos, lutando para recriar a Quarta Internacional como uma força revolucionária de massa. Nós, do Comitê de Ligação para a Quarta Internacional, buscamos o debate político e o reagrupamento com forças de inclinação revolucionária em torno dessas posições revolucionárias básicas como o meio-chave de fazer avançar a luta mundial pelo socialismo.

Nenhum comentário