Manchetes do dia

Argentina: Frustração com Fernandez e abstenção impulsionam a vitória da direita

Frustração com Fernandez e abstenção impulsionam a vitória da direita

Por Christian Romero e Humberto Rodrigues.


Nas eleições legislativas argentinas de 2021, o partido do presidente Alberto Fernández, herdeiro direto do peronismo - Frente de Todos (FDT) recuou em relação às eleições de 2019. A coalizão de direita - Juntos pela Mudança - conseguiu manter seu apoio eleitoral, que com a alta abstenção significou um crescimento proporcional, relativo. Na capital federal e na província de Buenos Aires, a direita, cada vez mais neofascista do que neoliberal, foi a terceira força. A esquerda era a terceira maior força a nível nacional. Na província de Jujuy, a frente de esquerda - FIT - obteve 25% dos votos.
Nas eleições legislativas de 2021 houve uma das maiores abstenções desde 1983. Mais de 3.000.000 de eleitores a menos que nas últimas eleições, de 2019. Somando votos em branco com votos nulos, deram mais de 1.000.000.

O abstencionismo e os votos em branco e nulo em geral refletem uma insatisfação dos trabalhadores com a FDT, incapazes de avançar nas reivindicações mais elementares como opção ao imperialismo e na política vacilante geral exibida pelo governo de Alberto Fernández. Ainda assim, em grande medida esse resultado foi capaz de rastrear o resultado da primária: no estagiário peronista e na FDT em geral, os governadores peronistas que podem exibir triunfos da FDT em seus distritos provinciais foram fortalecidos na estagiária peronista e na FDT .

direita da “Avanza Libertad”, neofascista, teve um crescimento eleitoral, consolidando-se como uma terceira força mais votada 
na capital federal (17%) e na província de Buenos Aires com Espert (7.48).

O resultado em Jujuy e, em menor medida, em outros distritos - consolida a unidade FIT como a terceira força em relação a votação nacional. Nas mãos de uma frente operária revolucionária, esse resultado pode ser muito bom para o avanço da luta operária. Mas, nas mãos desses pseudo-trotskistas, a FIT-U, representa um retrocesso, uma parlamentarização da luta de classes a serviço da classe dominante, que conquista os últimos representantes políticos conciliadores. Os parlamentares da FIT são incapazes de defender o povo trabalhador e oprimido. Em 2020, chegaram a votar em um projeto de lei sionista que criminaliza qualquer protesto em favor do povo palestino, contra o Estado nazi-sionista e seus crimes. Votaram contra o direito da própria FIT de protestar contra as agressões de Israel. A bancada da FIT não serve nem para que a própria FIT faça demagogia internacionalista em um contexto em que existe uma direita cada vez mais agressiva do tipo bolsonarista, que já é a terceira força na Capital Federal e na província de Buenos Aires.

Cúmplices da parlamentarização da luta de classes como a FIT-Unidad e a falta de um reagrupamento independente dos trabalhadores para capitalizar o descontentamento com a FDT, abrem caminho para a ofensiva do imperialismo. Uma ofensiva que já se inicia há algum tempo fazendo parte do incessante ajuste que o FMI exige para garantir o pagamento da dívida gerada pelo macrismo e que o governo da FDT assumiu sem sequer ter avançado em sua investigação.

Por isso, lutamos por uma organização operária independente com vistas a construir seu próprio instrumento político que une a luta por suas demandas imediatas com seus interesses históricos, ou seja, um partido operário revolucionário! Só assim se pode dar uma luta efetiva contra a ofensiva do imperialismo e do avanço da direita.

Nenhum comentário