Manchetes do dia

Reino Unido: Boris Johnson, o Trumpismo britânico em uma crise mortal

Boris Johnson, o Trumpismo no Reino Unido está em uma crise mortal 

Ian Donovan
Site original em Inglês

A saída de Donald Trump nos Estados Unidos colocou os holofotes no governo igualmente esquálido e mentiroso de Johnson na Grã-Bretanha. As contradições da situação na Grã-Bretanha, assim como nos Estados Unidos, foram expostas pela pandemia Covid-19. Além disso, há o desastre em andamento no difícil acordo pelo Brexit de Boris Johnson, que já está gerando protestos, inclusive por parte de alguns que apoiaram Johnson e o Brexit. As consequências econômicas do Brexit estão se combinando com as da pandemia para criar uma tempestade perfeita. O plano original de Johnson, de construir um ambíguo não-acordo no final do período de transição, foi abandonado pouco antes do Natal porque era um risco muito grande para a estabilidade de seu regime.

O regime de Johnson é tão duvidoso em sua legitimidade quanto o de Trump. Trump alcançou a presidência nos Estados Unidos por meio do prolongado programa de supressão de eleitores de seu partido, impedindo camadas de americanos particularmente negros de votar por meio de burocracia punitiva supostamente destinada a impedir a fraude, mas na verdade para impedir a votação dos pobres – as vítimas do racismo são desproporcionalmente pobres. Isso, combinado com o sistema de colégio eleitoral antidemocrático, levou ao poder um presidente de extrema direita em 2016, apesar de ele perder o voto popular por 3 milhões. Trump lutou para repetir o truque em 2020 e sua recusa em aceitar a derrota levou à tentativa de seus seguidores radicais de manter o poder por uma insurreição contra o conjunto do eleitorado. Mas eles se superaram e expuseram sua natureza fascista para todo o mundo ver.

Os Tories estão fazendo jogos semelhantes aqui. A insurreição de Trump contra o Congresso teve seu protótipo aqui em 2019 com a prorrogação ilegal de Johnson do parlamento, que por si só teve algo do caráter de um golpe. O referendo sobre o Brexit em 2016 foi completamente desregulamentado e maciçamente corrompido por enormes financiamentos de propaganda mentidas por bilionários de extrema direita como Arron Banks. Mentiras descaradas sobre financiar o NHS [o sistema de saúde pública do Reino Unido] com as contribuições da União Europeia ("£ 350 milhões por semana") e propaganda de ódio anti-migrante de apresentadas por gente como Nigel Farage, líder do UKIP, Partido de Independência do Reino Unido, da extrema direita. Farage desfilou por Westminster com a imagem de pessoas caminhando para um campo de refugiados na fronteira da Croácia e Eslovênia. O pôster intitulado “Breaking Point” ('Ponto de Ruptura') foi retratando refugiados sírios, conscientemente inspirado em um filme de propaganda nazista atacar refugiados judeus. Esse tipo de propaganda sintetizou o referendo do Brexit. O plano real de Johnson ainda é vender o NHS como parte de um acordo com o mercado.


Cartaz da propaganda pelo Brexit pela ruptura com a União Europeia, de Nigel Farage, dirigente do UKIPE, incitando a xenofobia e o ódio racial e inspirado na propaganda nazista

Os referendos podem ser úteis para permitir que as questões constitucionais sejam resolvidas de forma democrática, mas não foi nada disso. Dentro da EU a Grã-Bretanha já tinha 'soberania'. O Brexit foi simplesmente uma campanha xenófoba que teve como objetivo, com sucesso, dividir a classe trabalhadora e fustigar trabalhadores a entrangularem-se mutuamente. Foi convocado por um governo abertamente racista cujos líderes estavam até o pescoço em racismo e abuso de minorias, sintetizado pelo escândalo Windrush [1], de 2018, e a morte de mais de 100.000 por meio de cortes de benefícios de austeridade para os doentes e deficientes.

Ainda assim, Cameron ficou consternado quando a reação que eles promoveram foi mais longe do que eles queriam e resultou na votação do Brexit. Seu referendo era 'consultivo'; se fosse juridicamente vinculativo, estaria sujeito a uma regulamentação estrita, como acontece com uma eleição parlamentar. Mas depois que o festival de ódio corrupto e não regulamentado, que incluiu o assassinato do parlamentar trabalhista Jo Cox por um terrorista fascista Brexit, resultou em uma vitória estreita para os xenófobos, a extrema direita insistiu que era vinculante e seus capangas fascistas irromperam em fúria. Qualquer pessoa na vida pública que falhou em se curvar diante de seu deus Brexit foi submetida a ameaças de morte e potencialmente à violência correspondente. Bandidos violentos e fascistas como James Goddard perseguiram políticos que se opuseram ao Brexit, lado a lado com a mídia conservadora e Johnson expurgando os conservadores de antigos tipos do mainstream que se recusaram a seguir seu curso rumo a nenhum acordo. Não há diferença entre os elementos violentos do Brexit como Goddard e os terroristas fascistas que atacaram o Capitólio em Washington.

A Eleição Geral de 2019 também teve motivos consideráveis ​​para suspeitas a respeito. Depois que Corbyn chegou perto da vitória em 2017, destruindo a maioria de Theresa May, os neoliberais dentro e fora do Partido Trabalhista ficaram visivelmente chocados e mortificados, e uma cavalgada de truques sujos começou a sabotar o Trabalho de Corbyn. O choque nos rostos de ideólogos trabalhistas de direita como Stephen Kinnock e Jess Phillips foi óbvio na noite da eleição de 2017. Em 2019, após a derrota do Partido Trabalhista, o mesmo Phillips ficou visivelmente encantado. Tão sinistro quanto foram os comentários de figuras-chave da classe dominante sobre a possibilidade de um governo Corbyn. No período de perguntas da PM em dezembro de 2017, Theresa May simplesmente disse “nunca permitiremos que você governe”. E Mike Pompeo, Secretário de Estado de Trump,

“'Pode ser que Corbyn consiga correr o desafio e ser eleito', disse ele na gravação. 'É possível. Você deve saber, não vamos esperar que ele faça essas coisas para começar a reagir. Faremos o nosso melhor. É muito arriscado e muito importante e muito difícil, uma vez que já aconteceu.'” (The Guardian, Mike Pompeo tells Jewish leaders he would 'push back' against Corbyn)

Pompeo já provou que é eminentemente capaz de envolvimento pessoal em fraudes eleitorais, inclusive nos países capitalistas avançados, onde a convenção é que tais coisas estão fora dos limites (fraudes e golpes são praticados por governos imperialistas de todos os matizes em países semicoloniais como um hábito tradicional). O envolvimento de Pompeo na tentativa de Trump de manter o poder depois de perder esmagadoramente as eleições presidenciais de 2020 é um assunto de registro público, quando em 10 de novembro ele disse a repórteres do Departamento de Estado:

“Haverá uma transição suave para uma segunda administração Trump.”

Pompeo apenas se distanciou das tentativas de Trump de permanecer no poder após a insurreição fracassada no Capitólio em 6 de janeiro. Sua intenção declarada de “adiar” um possível governo de Corbyn, junto com a aproximimação política de Johnson e May com a Trump administração foi óbvia (em seu primeiro encontro com Trump, ela foi filmada de mãos dadas com ele enquanto entrava em uma entrevista coletiva). O provável mecanismo de fraude - a modificação de um resultado que muitos esperavam que resultaria em um parlamento suspenso como em 2017 - e a obtenção de respostas no terreno em áreas-chave, incluindo a chamada 'Parede Vermelha' indicada seria estreita - estava ajustando o correio voto.

Uma análise detalhada da votação por correspondência em 2019 ainda parece indisponível - o relatório da Câmara dos Comuns sobre a eleição não contém nada sobre isso (consulte) - mas imediatamente após a eleição, a organização de votação de Lord Ashcroft relatou uma duplicação do voto por correspondência para 38%. Na época, um comportamento altamente suspeito foi relatado: dois conservadores proeminentes ou personalidades simpáticas, a editora política da BBC, Laura Kuenssberg, e o ministro das Relações Exteriores, Dominic Raab, pareciam ter violado a lei eleitoral ao falar sobre, e até mesmo saber sobre, o conteúdo de o voto por correspondência antes mesmo de que fosse legal contá-lo.

O envolvimento de figuras proeminentes na administração Trump, tão próximas da administração de Johnson e May, na tentativa de derrubar o voto popular e o resultado do colégio eleitoral em janeiro de 2021, lança mais dúvidas sobre a legitimidade democrática do regime de Johnson 'eleito' na Grã-Bretanha em 2019.

Darwinismo social e massacres

O resultado da conquista do poder por populistas de extrema direita foi o número astronômico de mortes na pandemia de Covid-19. Este é o produto do Darwinismo Social, a 'sobrevivência do mais apto', aplicado à sociedade. A política do governo britânico tem sido 'imunidade de rebanho', permitindo que a doença infecte o máximo possível da população para gerar uma resposta imune generalizada. Mas essa imunidade que se desenvolve naturalmente só pode acontecer por meio de um número enorme de mortes, e da proliferação do vírus nas frações mais vulneráveis ​​da população por meio da morte em massa e a substituição de uma grande parcela pelos descendentes dos sobreviventes. O objetivo do desenvolvimento de vacinas é evitar essa carnificina, desenvolvendo artificialmente a imunidade nas pessoas vulneráveis ​​a doenças, para que deixem de correr o risco de morte ou invalidez por doenças como a Covid.

Essa é a concepção que leva o governo Johnson, ao mesmo tempo em que tem que se curvar repetidamente à pressão popular e tomar medidas de bloqueio e quarentena, a sabotar repetidamente os bloqueios, encerrando-os precocemente, forçando as crianças a escolas inseguras como em setembro e recusando um lockdown também em setembro, quando os próprios cientistas do governo exigiam que se cortasse a segunda onda pela raiz. O lockdown de quatro semanas em novembro manteve as escolas abertas e, portanto, não poderia ser eficaz. Produziu uma queda limitada na taxa de infecção, mas assim que foi removido, a doença começou a se espalhar como um incêndio novamente. Johnson foi, portanto, forçado a 'cancelar o Natal' por um aumento maciço na taxa de infecção de Covid, que foi inteiramente obra do seu próprio governo,

O surgimento de uma nova cepa mais infecciosa da Covid-19, que forçou o governo a seu terceiro lockdown em pânico no início de janeiro, é inteiramente culpa do regime de Johnson. É por isso que a Grã-Bretanha, como país, tem a pior taxa de mortalidade por milhão de habitantes em todo o mundo.

Um fator enorme nisso também tem sido o subfinanciamento de longo prazo do NHS, Serviço Nacional de Saúde, a privatização crescente da prestação de cuidados de saúde e a falta de pessoal maciça, o pagamento insuficiente de pessoal júnior de medicina, enfermagem e limpeza, o que significa que, embora o governo tenha criado mais Hospitais 'Nightingale' [hospitais de campanha para as vítimas do Covid-19] no início da pandemia para lidar com a demanda extra, eles provaram ser elefantes brancos, uma vez que não há equipe treinada para administrar as instalações de tratamento intensivo extras necessárias.

E o outro problema recorrente tem sido a falta de pagamento adequado e bem-estar para aqueles que correm o risco de adoecer e infectar outras pessoas. O esquema de licença tem alguns méritos, mas é muito limitado em sua amplitude e muitos se enquadram em suas lacunas. E o nível muito baixo de benefícios de fome (e as sanções) para os mal pagos e semi-empregados / desempregados tornou muito difícil para aqueles em risco se isolarem para se protegerem e outros, sem mencionar a pressão contínua de muitos mais baixos - pagar aos empregadores pelo risco de o pessoal vir trabalhar. O mísero aumento de £ 20 semanais no Crédito Universal em caráter de emergência desde abril passado deve terminar em abril próximo, e o governo está resistindo a estendê-lo, já que resistiu em fornecer merenda escolar gratuita para crianças de famílias de baixa renda no lockdown.

O atual lockdown é muito mais flexível do que o de março passado; o tráfego nas estradas e nos transportes públicos é várias vezes maior, pois muitos empregadores estão ignorando e coagindo seus funcionários a trabalhar. As restrições não estão sendo aplicadas ou estão sendo evitadas pelo trabalho ilegal como essencial. Isso também está acontecendo nas escolas, já que a definição de 'trabalhadores-chave' cujos filhos ainda frequentam se tornou muito mais nebulosa e as escolas estão muito menos vazias do que em março. E os berçários ainda estão abertos, apesar de metade da equipe dizer que não se sentem seguros. Esta é a política do governo, colocando o lucro capitalista acima da segurança da classe trabalhadora.

A política de 'imunidade de rebanho' foi apresentada por Johnson na TV matinal, bem como por outros porta-vozes do governo, incluindo cientistas do governo como Patrick Vallance, e a 'Unidade Nudge' do governo, logo no início da pandemia. Em seguida, foi um pouco modificado, e a política desde então tem sido chamada de 'imunidade de rebanho pontuada', interrompida por lockdown indiferentes ou 'mockdowns', um ponto que vale a pena repetir, pois esse regime precisa ser responsabilizado. O núcleo ideológico disso foi apresentado por Johnson em seu discurso bizarro em Greenwich em 2 de fevereiro de 2020:

“… Nesse contexto, estávamos começando a ouvir uma retórica bizarra e autárquica, quando as barreiras estão subindo, e quando há o risco de que novas doenças como o Coronavírus desencadeiem um pânico e um desejo de segregação de mercado, que vão além do que é medicamente racional, a ponto de causar danos econômicos reais e desnecessários, então, naquele momento, a humanidade precisa de algum governo em algum lugar, que esteja disposto ao menos a defender, com força, a liberdade de troca.

“Algum país pronto para tirar seus óculos Clark Kent e pular na cabine telefônica e emergir com sua capa fluindo como o campeão sobrecarregado do direito das populações, da Terra, de comprar e vender livremente entre si. Aqui em Greenwich, na primeira semana de fevereiro de 2020, posso dizer com toda humildade que o Reino Unido está pronto para esse papel”. (Boris Johnson on February 3rd 2020)

A combinação da vaidade nacional-imperial Brexiteria com o desrespeito cruel pela ciência e racionalidade em busca do lucro é grotesca. Mas este não é apenas um problema da malícia deste governo. É também o produto da incapacidade do próprio capitalismo para lidar com as crises, incluindo desastres como o Covid criado pelo abuso capitalista da natureza, que o sistema de lucro dá origem. Diante de um desastre dessa escala, uma economia planejada racionalmente simplesmente mudaria o plano para acomodar o problema, sendo o bem-estar de toda a população o objetivo central do plano. Mas o capital não pode fazer isso, então, além do desastre de saúde pública, soma-se o deslocamento econômico maciço e a ameaça de uma grande depressão econômica, mesmo quando a pandemia terminar.

Isso tem sua última manifestação no desrespeito arrogante pela ciência na administração de vacinas. A vacina Pfizer-BioNTech, a primeira a ser licenciada, é um produto farmacêutico pioneiro e necessariamente frágil, cujos fabricantes são altamente específicos sobre o momento necessário para administrar suas duas doses. Eles devem ser administrados com três semanas de intervalo, com a primeira dose oferecendo imunidade parcial e a segunda agindo para sobrecarregar a imunidade adquirida com a primeira dose. O plano de Johnson e Hancock de estender esse prazo para doze semanas foi condenado pelos fabricantes, pois não há dados que apontem que tal mudança na administração da vacina funcionaria. Há, entretanto, motivos para temer que a vacina diluída estando no sistema das pessoas por um período mais longo possa dar uma chance de evolução de uma cepa resistente à vacina.

O governo teve essa ideia não muito brilhante depois que a segunda vacina, Astra-Zeneca, que tem um esquema de dosagem mais flexível e respaldado por dados, de até doze semanas, foi licenciada. Estender isso à vacina Pfizer-BioNTech é, como as 'simulações', simplesmente um atalho para tentar reduzir a taxa de infecção rapidamente e então apressar as pessoas de volta ao trabalho, para retomar o processo de ganhar dinheiro para o capital. Este é o estado de governo sinistro na 'Ilha da Peste' no início de 2021.

Starmer: Johnson's Lackey

O que dizer da oposição a tudo isso exercida a partir do movimento operário, ou dos que pretendem representá-lo? Keir Starmer, Líder do Partido Trabalhista e Líder da Oposição desde 2020 , não fez praticamente nenhuma oposição a Johnson. Starmer não se opôs a nada significativo que o governo tenha feito. Nas primeiras semanas da pandemia, houve fortes críticas de Jeremy Corbyn à crueldade do governo e um certo grau de apoio da bancada trabalhista à resistência sindical. O que pode ter desempenhado um papel no fato de que o primeiro lockdown, pelo menos em seus estágios iniciais, foi realmente eficaz, embora a renúncia de Corbyn tenha aliviado Johnson.

Depois que Starmer conquistou a liderança em abril, essas críticas pararam. A linha mudou completamente para uma linha de apoio a praticamente tudo o que o governo fazia, com apenas pequenas objeções sobre questões de detalhes. Em uma entrevista em setembro, Starmer expôs sua estratégia de 'oposição' assim:

“Seja qual for a medida que o governo tomar, nós iremos apoiá-la” e para evitar mal-entendidos ele reiterou: “Eles tomam uma decisão, nós seguiremos isso e iremos reforçar sua comunicações porque no fim não se trata de política partidária.” (Labour List: Sunday shows: Labour will back “whatever measures the government takes” on Covid restrictions)

A prioridade política de Starmer não é lutar contra os ataques do governo à classe trabalhadora nesta pandemia e situação econômica desastrosa. Ele está atacando a esquerda e movendo o Trabalhismo mais para a direita e para o campo burguês, como simbolizado por sua adesão ao sionismo. Isso o liga com os populistas de direita, com Johnson e Trump, e determina seu caráter como lacaio. O fato de que todos os candidatos à liderança Trabalhista juraram lealdade ao sionismo na competição de 2020 é significativo neste sentido. O órgão ao qual eles fizeram suas promessas, o Conselho de Deputados dos Judeus Britânicos (BOD), deixou claro seu apoio a Donald Trump e Boris Johnson, e sua condenação ao Partido Trabalhista liderado por Corbyn nas Eleições Gerais de dezembro de 2019.

Os candidatos juraram combater o chamado anti-semitismo, de acordo com a falsa definição estabelecida pela International Holocaust Remembrance Alliance (IHRA), contra a qual a liderança de Corbyn capitulou nos anos anteriores. Isso não significa racismo contra o povo judeu, mas hostilidade em relação ao sionismo e sua opressão ao povo palestino, e expulsar os oponentes do racismo sionista, incluindo judeus, como parte de um ataque generalizado a ativistas de esquerda e o anti-racismo, parte do processo Trabalhe de volta ao que era sob Blair – o trabalhismo funcionando com um partido conservador alternativo. Como parte do expurgo, vimos a suspensão de Jeremy Corbyn por Starmer, que agora é objeto de ação legal. Agora Starmer empregou um espião israelense, um Assaf Kaplan, anteriormente conhecido por travar ciberguerra contra palestinos,

Sob Starmer, o Trabalhismo não apenas abraçou o sionismo, mas também o Brexit: depois que Johnson conseguiu seu acordo de última hora no Natal, Starmer fez com que seus parlamentares votassem a favor e então se comprometeu a aceitar o Brexit e não tentar revertê-lo, em busca de votos anti-imigrantes. Expondo assim o cinismo da própria campanha de Starmer contra o Brexit antes das Eleições Gerais de 2019. Não foi impulsionado por princípios, mas apenas uma manobra faccional para minar Corbyn.

Um momento seminal na capitulação do Laborismo a Johnson sobre a pandemia foi sua demissão de Rebecca Long-Bailey (RBL) como Secretária de Educação da sombra em junho, em meio a acusações de 'anti-semitismo' tão risíveis que não merecem sequer uma análise. Todos sabiam que a verdadeira razão era que a RLB apoiava o principal Sindicato de Professores, o NEU, resistindo ao impulso imprudente de Johnson para reabrir escolas, primeiro em junho de forma voluntária, depois de forma compulsória em setembro, com os pais vem sendo multados se retirarem seus filhos da escola. Esta foi uma das principais causas da segunda onda e provavelmente a mutação do vírus para uma cepa mais infecciosa quando o primeiro bloqueio estava sendo prematuramente relaxado. Assim, o sangue daqueles que morreram na segunda onda, a maioria dos quais eram completamente evitáveis, não está apenas nas mãos de Johnson, mas também de Starmer.

A conduta de Starmer nos vários altos e baixos da pandemia e bloqueios tem sido patética. Mesmo quando ele contradisse Johnson, como quando ele pediu a extensão do sistema caótico de 'níveis' e efetivamente para um bloqueio de nível 5 durante o Natal, ele só ousou porque era de conhecimento comum que Johnson estava considerando exatamente isso. Ele foi apenas o eco de Johnson durante todo o período desde que se tornou líder.

Precisamos de um verdadeiro partido de trabalhadores

É evidente que precisamos de um partido para lutar pelos interesses da classe trabalhadora independentemente do Partido Trabalhista completamente burguês, cujo componente operário, como nos anos de Blair, está em processo de ser completamente marginalizado. Dos expurgos da esquerda, novas formações estão nascendo, mais esperançosamente em torno de Chris Williamson, que está gastando muito tempo e energia montando o que parece ser um partido em formação, tentando reunir o máximo de fios da esquerda quanto possível em algo inclusivo e democrático.

Chris Williamson, de gravata, no meio de apoiadores

Apoiamos essa perspectiva, de buscar construir um novo partido da classe trabalhadora, que seja capaz de desenvolver tanto a base de massas quanto o programa político para realmente lutar contra o capital e tenha o dinamismo e a flexibilidade para permitir que esse tipo de desenvolvimento político aconteça. Infelizmente, um obstáculo para isso que surgiu recentemente é o novo 'Projeto de Paz e Justiça' de Jeremy Corbyn, que visa manter seus seguidores unidos e fazer campanha em torno de uma variedade de questões anti-guerra, ambientais e da classe trabalhadora sem ter a perspectiva de construir um novo partido. Parece que o Projeto de Corbyn é o de se configurar como uma alternativa contra a construção de um novo partido, uma falha fatal, que somado ao problema político do reformismo de Corbyn, é um problema adicional que torna o seu Projeto inútil para a adesão de militantes.

A catástrofe econômica resultante da pandemia, o grande número de mortes, particularmente em países administrados por neoliberais de extrema direita como Trump e Johnson, e todas as questões relacionadas ao clima e degradação ecológica, que como a pandemia mostrou, é uma ameaça potente para a vida da classe trabalhadora e das pessoas oprimidas em todos os lugares, acumulou uma enorme quantidade de descontentamento e raiva social. Isso inevitavelmente se tornará evidente quando a pandemia finalmente diminuir. Haverá movimentos convulsivos tendendo para a esquerda que surgem a partir disso, como de alguma forma é visível nos Estados Unidos com a enorme onda popular para derrubar Trump. Haverá movimentos de trabalhadores e pobres, talvez semelhantes aos gilets jaunes [coletes amarelos] franceses que começaram de forma confusa, com tentativas da extrema direita de controlar o movimento, mas que expulsou espontaneamente esses intrusos e avançou para a esquerda na luta contra Macron. Após a pandemia, as contradições acumuladas certamente encontrarão expressão de formas semelhantes, se não mais explosivas. O reformismo de esquerda aquecido é totalmente inadequado para lidar com os problemas objetivos que a decadência capitalista trouxe para essas massas hoje.

Em última análise, a classe trabalhadora não chegará ao poder por meio de eleições burguesas: o Estado e a classe dominante não permitirão que isso aconteça. Precisamos de um programa que comece com as necessidades sentidas pela classe trabalhadora de hoje e aponte o caminho para que nossa classe tome o poder dos capitalistas por meio de nossa própria atividade e ação revolucionária de massa. O corbynismo esgotou-se, mas a atividade política contínua de provavelmente centenas de milhares de seus militantes, oferece uma oportunidade histórica para construir um partido genuíno da classe trabalhadora na Grã-Bretanha, que pode desenvolver tal programa e prática e levar nossa classe à vitória .



Notas

1. O escândalo Windrush foi um escândalo político britânico de 2018 sobre pessoas que foram detidas injustamente , tiveram seus direitos legais negados, foram ameaçadas de deportação e em pelo menos 83 casos deportadas indevidamente do Reino Unido pelo Ministério do Interior.

Nenhum comentário