Manchetes do dia

EUA-IRÃ: Condenar o Assassinato de Suleimani pelo Estado-Terrorista dos EUA!

A provocação de Trump e do sionismo contra o Irã impulsiona o risco da 3ª Guerra Mundial: Condenar o assassinato de Suleimani pelo Estado-Terrorista dos EUA!

Ian Donovan



O assassinato de Qassem Suleimani, em Bagdá, comandante da força de elite Quds do Irã, é uma declaração de guerra do governo Trump e joga por terra completamente tudo o que restava do acordo nuclear de Obama com o Irã. Isso foi calculado. O ataque também matou Abu Mahdi Muhandis, vice-comandante das Forças de Mobilização Popular (PMF), uma frente de guerrilhas islâmicas xiitas no Iraque aliadas ao Irã. Depois disso, Trump enviou mais 3.000 soldados dos EUA para o Oriente Médio para 'proteger' os ativos dos EUA.

O grupo Luta Socialista condena totalmente esse ato e reivindica a defesa do Irã, do governo iraquiano que condenou com razão esse ato de terrorismo e de todas as forças anti-imperialistas da região, contra o imperialismo dos EUA e seus aliados israelenses. Uma guerra imperialista contra o Irã, ainda mais que a guerra de 2003 contra o Iraque, tem o potencial de se tornar uma guerra nuclear e / ou afogar toda a região em um derramamento de sangue terrível.

Isso poderia aumentar com facilidade, pois a China e a Rússia realizaram recentemente exercícios militares trilaterais com o Irã no Oceano Índico e, embora a aliança seja informal no momento, eles já são um fator importante no equilíbrio de forças. O ato de assassinato de Trump pode levar a esta nova escalada.

Já foram feitas comparações entre o assassinato de Suleimani e o arquiduque Franz Ferdinand, herdeiro do trono austro-húngaro, por um nacionalista sérvio da Bósnia em Sarajevo em agosto de 1914, o evento que precipitou a Primeira Guerra Mundial. Mas a ação de Trump é pior do que isso, pois o assassino de Sarajevo, Gavrilo Princip, atuou como parte de um grupo nacionalista sérvio autônomo, e não recebeu ordem de agir pelo Chefe de Estado de uma das Grandes Potências. O assassinato de Suleimani foi encomendado por Trump.

Ao contrário das crenças de muitos trabalhadores de consciência política atrasada nos EUA, na promessa de Trump de não arrastar os Estados Unidos para mais guerras do tipo Iraque, Trump sempre foi um comerciante, principalmente por aquela seção da burguesia americana que interesse direto em demolir qualquer Estado muçulmano ou árabe relativamente independente e coerente no Oriente Médio: o lobby de Israel.


A ação de Trump foi elogiada em poucas horas por Netanyahu, que opinou:
“Trump é digno de apreciação total por agir com determinação, forte e rapidamente ... apoiamos firmemente aos Estados Unidos em sua justa batalha por segurança, paz e autodefesa ... Israel tem o direito de se defender. Os EUA têm exatamente o mesmo direito.” (Times of Israel, 3 de janeiro)

Tem sido difícil para o governo Trump encontrar apoio declarado, pelo menos por enquanto, de qualquer outro lugar que não Israel. Enquanto seu Partido Republicano apoiou previsivelmente o assassinato, vários democratas levantaram questões sobre o motivo de isso ter sido feito sem a aprovação do Congresso. Todos os candidatos a candidatos à presidência nos EUA expressaram 'preocupação' com a 'imprudência' de Trump, assim como todos os candidatos à liderança trabalhista no Reino Unido. Até Raab, o secretário de Relações Exteriores de Johnson aqui, está pedindo que os dois lados 'retrocedam'. Parece que nem Johnson nem Raab foram avisados com antecedência, apesar da amizade entre os colegas 'palhaços assassinos'. As tropas britânicas que ainda estão no Iraque provavelmente serão atraídas para o olho do furacão, e Boris Johnson, é claro, apoiará seu colega Trump.

O impeachment de Trump e / ou sua campanha eleitoral são mencionados por alguns como um fator possível, mas isso é superficial. Todo mundo sabe que o Senado, republicano, vai torpedear o impeachment. E tal guerra no ano das eleições é muito arriscada. A verdadeira força motriz é a conexão de Israel. Devido à sua ilegitimidade como um estado construído em terras árabes roubadas em uma região muçulmana árabe e aliada densamente povoada, Israel e sua classe dominante têm interesse direto na demolição de qualquer estado árabe ou muçulmano regionalmente poderoso que não seja um vassalo ou fantoche de Israel.

A destruição do Iraque em 2003 foi claramente impulsionada pelos neocons do Projeto para o Novo Século Americano, um número muito desproporcional dos quais eram Likudniks judeus de extrema direita e tipos semelhantes. A questão da dupla cidadania com Israel, disponível para qualquer nascido judeu e particularmente importante em termos de classe, para burgueses de tal origem, dá a esses burgueses não tanto "lealdade dupla" quanto dois estados imperialista-burgueses, um muito mais poderoso que o outro.



Os partidários burgueses de Israel com essa classe híbrida / interesse étnico formam de longe o grupo de lobby de política externa mais poderoso dos EUA [correspondendo a hipertrofia sionista dentro da burguesia imperialista dos EUA]. Em bem menor grau, vem atrás seus aliados da Europa Ocidental. Desafiar o apoio ocidental a Israel é fatal para as carreiras dos políticos burgueses no Ocidente, e quem defende os direitos dos árabes e palestinos enfrenta as campanhas mais concentradas de mentiras e calúnias desde os dias de Hitler e Stalin. Essa máquina de guerra midiática foi usada contra Corbyn; e vai novamente ser usada pelos apoiadores de Israel contra o "socialista" dos EUA, Bernie Sanders.

E este é o núcleo das forças que pressionam por uma guerra dos EUA contra o Irã. O principal financiador e doador de Trump em sua campanha eleitoral foi o bilionário do Likud Sheldon Adelson. A sobreposição das classes dominantes de Israel e dos Estados Unidos é um fenômeno regional, não mundial - é óbvio que o componente israelense disso tem pouco interesse em mudanças geopolíticas na América do Sul ou no Extremo Oriente.



Mas no Oriente Médio, a Aliança Israel-EUA está unida de uma maneira que a coloca em rota de colisão não apenas com o Irã, mas com aqueles aliados internacionais que o Irã cultivou compreensivelmente para a autoproteção, conflito muito mais provável do que em guerras anteriores.

O que é crucial no combate a essas guerras neocon é que a esquerda aprende a enfrentar o sionismo. Temos que aprender a responder golpe por golpe e realizar uma guerra total contra os articuladores das campanhas de calúnias sob a acusação de 'anti-semitismo' que foram usadas para derrotar o Partido Trabalhista – junto com outros métodos questionáveis – nas Eleições Gerais.

Não devemos mais tratar agentes "esquerdistas" de tais campanhas como pessoas bem-intencionadas que querem apenas combater o "racismo". Devemos entender que os sionistas e seus aliados que promovem campanhas contra o suposto 'anti-semitismo' estão entre os piores racistas.



Precisamos debater e entender a necessidade de luta revolucionária contra a guerra e um programa revolucionário para derrubar o capitalismo, que tem sido assunto de disputa estratégica entre ativistas e socialistas anti-guerra há gerações.

Somos inequívocos ao defender que o fim da guerra só é possível através de uma revolução social internacional contra o sistema que não só dá origem a guerras sem fim, mas também ameaça a todos nós com a extinção pela destruição do clima e da biosfera. Todos esses são debates cruciais que precisam ser realizados para o futuro da humanidade.

Mas, mesmo para ter esses debates em um movimento anti-guerra racional e democrático e da classe trabalhadora, temos que acabar com as calúnias sionistas, que se tornaram um tipo de doença política que ameaça envenenar todo o nosso movimento. O que aconteceu no Partido Trabalhista é um aviso. Não deve ser permitido que se repita no movimento anti-guerra.

Nenhum comentário