Manchetes do dia

Plataforma dos Democratas Consistentes da Grã Bretanha



Democratas Consistentes - Grã Bretanha

O texto a seguir foi originalmente publicado como a Plataforma da Facção Trotskista dentro da Luta Socialista, nossa organização predecessora. Agora foi editado para remover referências pessoais e faccionais, mas é politicamente idêntico ao original. Certamente resume o que defendemos.

Obviamente este é um documento central para nós e está reproduzido, tanto em sua versão atual, quanto no original, em página própria em nosso site aqui .

Nossa plataforma é trotskista e se apoia na ortodoxia elaborada no artigo A Teoria Marxista do Estado, sobre a natureza concreta do stalinismo no pós-guerra, a necessidade de defesa dos estados operários degenerados e deformados contra o imperialismo combinado com a revolução política para levar o proletariado à comando do estado operário politicamente, ao mesmo tempo em que se opõe à contra-revolução. Vimos e vemos hoje o proletariado como a única força que pode derrotar a contra-revolução, seja ela emanada da burocracia ou de outro lugar, com particular atenção aos dois estados operários deformados restantes em Cuba e na Coréia do Norte.

Somos defensores dos países semicoloniais, incluindo a Rússia e a China, contra o imperialismo. Apoiamos a unificação da Irlanda e um único Estado multiétnico da Palestina, no contexto da revolução permanente e, no caso do Oriente Médio, uma revolução regional centrada nos trabalhadores árabes e levando à libertação dos palestinos do sionismo.

Em relação ao sionismo e sua manifestação internacional, endossamos o Projeto de Teses sobre os Judeus e o Imperialismo Moderno de 2014, e notamos que esta foi a base para a atividade de nossa tendência na Grã-Bretanha sobre esta questão nos últimos cinco anos. Achamos que isso era fundamentalmente correto e baseado em princípios, e é a única explicação materialista para o papel muito visível e poderoso do sionismo na política imperialista ocidental.

Ainda defendemos a política histórica de nossa tendência na Grã-Bretanha de opressão especial em relação à opressão baseada na percepção de 'raça', sexo ou orientação sexual. Defendemos a autodefesa dos trabalhadores e uma milícia dos trabalhadores para esmagar as ameaças fascistas aos trabalhadores e oprimidos, e defendemos que o movimento dos trabalhadores tome uma ação armada independente para reprimir a atividade política fascista, que nunca é sobre persuasão, mas mobilização para o assassinato, como um questão de legítima defesa física.

Rejeitamos a ideologia machista, homofóbica e transfóbica e defendemos a libertação das mulheres e também das minorias sexuais oprimidas por meio da revolução socialista. Rejeitamos todos os tipos de abuso sexual da juventude e a tutela moral da juventude por burgueses e moralistas reacionários. Rejeitamos toda interferência do estado na vida pessoal e nas relações baseadas no consentimento mútuo entre adultos.

Defendemos, como Trotsky, a renovação dos sindicatos por meio da atividade de base e o avanço de novos líderes militantes contra a burocracia, e o uso sensível e taticamente inteligente do programa de transição e do método de transição para construir uma oposição revolucionária em os sindicatos.

Da mesma forma, endossamos a abordagem trotskista aos partidos operários burgueses e à independência de classe incorporada na abordagem do movimento trotskista, conforme mantido em nossa prática anterior e no material que publicamos e republicamos rejeitando as distorções sectárias e antimarxistas da tradição espartaquista.

Condenamos o Brexit como fundamentalmente anti-imigrante e defendemos a abolição de todas as leis e controles anti-imigrantes. Apoiamos o ensaio de Trotsky de 1923 que pedia a criação dos Estados Unidos da Europa e procuramos aplicar esta abordagem transitória à situação atual.

Também endossamos o corretivo sobre a questão do direito de crítica pública apresentado por nossa tendência anteriormente, aos erros da 3ª e 4ª internacionais a respeito de tal crítica, que acabou levando a fenômenos como o Healyismo, ou seja às seitas e cultos que envergonham o nome do trotskismo, à sua fragmentação e degeneração.

Nesta e em todas as outras questões pendentes que não podem ser abordadas aqui completamente, nos posicionamos na política do marxismo, leninismo e trotskismo, que consideramos ser o mesmo movimento. Portanto, defendemos o programa de nossa tendência na Grã-Bretanha.

Nenhum comentário