Manchetes do dia

Argentina: em defesa de CFK, contra o lawfare



Declaração da Tendencia Militante Bolchevique

Não à perseguição judicial contra Cristina, parte da ofensiva imperialista

As mobilizações que ocorram no 27 de agosto das bases do Kirchnerismo para repudiar a perseguição a Cristina Fernandez Kirchner (CFK) mostram uma tendência progressiva de oposição ao lawfare - guerra por meios jurídicos - imperialista. A eles se somam os presidentes do México, como López Obrador, da Colômbia, Gustavo Petro e da Bolívia, Arce, além de líderes como Evo Morales, também da Bolívia. No entanto, Lula, que até então foi vítima do maior golpe legal do continente e agora é o candidato favorito nas eleições brasileiras, não manifestou sua solidariedade com Cristina e anda dando declarações contra os governos de China e Cuba.

Há uma tendência de resistência vitoriosa ao lawfare. É neste contexto que, aproveitando-se das contradições dentro dos estados capitalistas semicoloniais, os trabalhadores devem avançar em sua própria mobilização contra a ofensiva imperialista, incluindo as medidas de ajuste do imperialismo, hoje promovidas na Argentina por ministros como Massa, cuja nomeação contou com o apoio político do CFK.

Também entre as medidas que a vanguarda militante deve tomar em suas mãos está o repúdio e a condenação da repressão realizada pela Polícia da Cidade de Buenos Aires, comandada pelo governo da cidade autônoma da coalizão "Juntos" de Larreta, contra a base do Kirchnerismo que se uniu contra o lawfare.

Direções "nac & pop" seguem flertando com o inimigo

É uma lição que poderíamos transformar em uma das teorias mais comprovadas da história da questão dos governantes nacionalistas e populares (que ficaram conhecidas como nac & pop na Argentina) que se centram entre o nacionalismo e o imperialismo.

Após apoiar a indicação de Massa, agente do FMI para o superministério de Fernández, Cristina sofre dura perseguição judicial. Essa é a mesma lógica que levou ao impeachment de Dilma e à prisão de Lula, após a capitulação do PT às pressões do lawfare e das manifestações de rua da direita "contra a corrupção". A mesma lógica que marcou os destinos de Jango e Allende. "Roma não paga traidores" e ainda os entrega para serem devorados pelos leões.

Em certa medida, o atual lawfare contra o CFK pode ser comparado ao golpe parlamentar contra Dilma no Brasil em 2016. Depois de ceder às pressões do imperialismo e da direita, fazendo uma política de ajuste pró-imperialista, depois de se desmoralizar com sua base eleitoral por adotar o programa que havia sido derrotado nas eleições de 2014, Dilma foi derrubada com manifestações de rua da direita, em 2015 e 2016 e quase nenhuma manifestação de rua popular e da esquerda. Por sua vez, países que sofrem atentados, guerras híbridas, bloqueios há décadas, como Cuba, Irã e Venezuela permanecem firmes. Não baixar a guarda ainda é a melhor garantia para não perder a guerra.

O imperialismo ataca de várias formas aos seus inimigos políticos burgueses, mas aqueles que se reconciliam com o imperialismo, são os que se tornam vulneráveis, se ​​tornam mais frágeis. Funcionou para Lugo (2012), Dilma e Lula (2016 - 2018), Evo (2019), Cristina agora e poderá valer novamente para Lula.

Nenhum comentário