Manchetes do dia

Ataque ucraniano no mercado de Donetsk foi um ato terrorista

Foto do mercado de Donetsk, batida por Eva Bartlett

Escrito por Eva Barlett*, 5 de maio de 2022, publicado originalmente no site La Lucha por el Socialismo, do Socialist Unity Party dos EUA, sobre os atos terroristas de bombardeios contra lugares de grande concentração de civis no Donbass, na Palestina e na Síria.

Quando a artilharia atingiu um espaço público movimentado em Donetsk, trouxe flashbacks de ataques em Gaza e na Síria

Se o mercado de Donetsk, atingido pela artilharia de foguetes na quinta-feira (ver vídeo), estivesse em uma cidade controlada por Kiev, os nomes e rostos dos cinco civis mortos estariam em todos os principais sites de notícias. Mas como foi outro ataque ucraniano a civis na República Popular de Donetsk (DPR), as mortes e 23 civis adicionais feridos quase certamente não serão relatados, como tem sido a norma durante os oito anos do regime do Donbass e os oito anos em que a mídia ocidental ignorou os ataques.

De acordo com o Ministério da Saúde da DPR, “O ataque no bairro de Tekstilschik, no distrito de Kirovsky, matou quatro pessoas no local. Um paciente morreu dentro de uma ambulância que foi atingida enquanto o transportava”.

Com outro jornalista, fui de táxi aos mercados bombardeados. Dois dos mortos ainda estavam no local quando chegamos, esparramados no chão. Os outros corpos já haviam sido removidos, mas os vestígios de seu sangue permaneciam no chão, as portas próximas estavam crivadas de buracos de estilhaços e os destroços do ataque estavam por toda parte.

Presumivelmente, as equipes de resgate lidaram primeiro com os feridos e não priorizaram a recuperação de todos os mortos, pois outros ataques ucranianos eram possíveis. Eu vi isso durante minha experiência em Gaza, onde os israelenses esperaram que as pessoas viessem ao local de seu ataque, então bombardearam novamente.

De acordo com Gennady Andreevich, um funcionário local da comissão de segurança do distrito, às 11h40, mísseis Grad atingiram dois mercados próximos: o mercado de vegetais e roupas onde os corpos estavam e um mercado de produtos químicos domésticos e materiais de construção do outro lado da rua. Este último foi muito mais danificado, as barracas completamente queimadas, mas ninguém foi morto lá.

Gennady caminhou conosco até o mercado de vegetais, falando sobre ataques ucranianos anteriores – que acontecem desde 2014. Os bombardeios mais recentes atingiram uma área perto de um posto de gasolina fora do mercado, em um prédio residencial além do mercado e ao próprio prédio administrativo do mercado, matando dois colegas.

Ele observou que a essa hora do dia o mercado estaria cheio de pessoas e que a Ucrânia sabe muito bem no que está atirando.

“Eles sabem que há um mercado aqui e que das 10h às 13h há muitas pessoas aqui”, disse Gennady enquanto passávamos pelas lojas.

Esta é uma área completamente civil, sem instalações militares.


Quem mais ataca mercados e espaços públicos?

Atacar mercados e ruas lotados em um horário movimentado do dia é algo que os terroristas na Síria fizeram por anos, sob o silêncio da mídia ocidental. É algo que Israel também tem feito há muito tempo, atingindo áreas residenciais e públicas de Gaza – um dos lugares mais densamente habitados do planeta.

Durante a guerra de 2009 em Gaza, Israel bombardeou mesquitas, hospitais e prédios lotados de palestinos deslocados. Um dos incidentes mais notáveis foi quando Tel Aviv atacou uma escola administrada pela ONU em Jabaliya que abrigava quase 1.500 pessoas. Pelo menos 40 foram mortas. Outro ataque horrível em um lugar lotado foi no distrito de Zeitoun, depois que soldados israelenses forçaram sob a mira de armas quase 100 membros da famíliaSamouni em uma casa e depois a bombardearam, matando 48 membros do clã.

Durante a guerra, acompanhei médicos em suas ambulâncias, documentando os crimes de guerra de Israel. Um médico (Arafa abd al-Dayem) que eu acompanhava foi morto um dia quando o exército israelense disparou um projétil em formato de flechetes (bombas dardos) proibido diretamente nele e na ambulância que estava ao seu lado. No dia seguinte, Israel atingiu as tendas de luto lotadas, também com flechettes, matando seis e ferindo 25 dos parentes e amigos que se reuniram em um pequeno espaço para lamentar a morte de Arafa.

projétil em formato de flechetes (bombas dardos)

A cidade velha de Damasco é um labirinto de ruas sinuosas, casas sobrepostas, igrejas, mesquitas, escolas, restaurantes lotados ao ar livre e mercados. As facções terroristas que ocupam Ghouta Oriental bombardeavam com mais frequência quando as crianças iam ou voltavam da escola, das pessoas aos mercados.

Tendo passado muito tempo nas áreas East Gate e Thomas Gate da cidade velha, experimentei o bombardeio e infelizmente, obtive muitos relatos de terroristas bombardeando lugares lotados.

Ainda hoje, andando pela Velha Damasco, você encontrará a marca de explosões de morteiros. E se você andar por essas pistas, verá como elas costumam estar lotadas, o que significa que muitas pessoas teriam sido feridas e mortas por uma única explosão de morteiro.

Em meados de abril de 2014, por exemplo, eles atingiram uma escola primária e um jardim de infância, matando uma criança e ferindo outras65, apenas algumas das inúmeras crianças mortas e feridas por bombardeios ao longo dos anos.

Aliás, mais tarde escrevi sobre como a BBC estava presente no mesmo hospital onde eu vi essas crianças feridas, e me disseram explicitamente que terroristas estavam atacando a cidade todos os dias. O artigo da BBC que se seguiu incluiu a linha: “o governo também é acusado de lançá-los em bairros sob seu controle.”

Também escrevi sobre os atentados terroristas de Aleppo, citando um dia em novembro de 2016 quando estava na cidade, que ao final do dia matou 18 e feriu mais de 200 civis. Estes foram alguns dos quase 11.000 civis mortos em Aleppo apenas por ataques terroristas a casas e locais públicos.

Eu poderia continuar citando esses atos de terrorismo na Síria, na Palestina, em outros lugares, mas já fiz meu ponto: quando a Ucrânia bombardeia um mercado lotado, é um ato intencional de terrorismo. Assim como o bombardeio implacável da Ucrânia contra casas nas repúblicas de Donbass nos últimos oito anos.

A Mídia ocidental não informará sobre isso; Os políticos ocidentais não vão condenar isso; sinalizadores de virtude não vão falar sobre isso. E quando você realmente documenta isso, eles o silenciam implacavelmente.

Meu tweet inicial sobre o ataque ao mercado foi previsivelmente trollado, com comentários afirmando que os corpos eram falsos, que o bombardeio nunca ocorreu, tipo de comentários do tipo “prove”.

Como minhas observações e fotos, bem como o testemunho de Gennady, ainda não serão provas suficientes, no meu vídeo também incluí imagens tiradas por um local que estava no mercado quando foi bombardeado e filmou as consequências imediatas. O próprio Gennady mostrou fotos em seu telefone de bombeiros apagando as chamas e cenas de feridos e mortos, claramente cercados por novos destroços de bombas.

Mas é a isso que chegamos hoje: a Ucrânia, muitas vezes usando armas adquiridas do Ocidente, pode continuar a bombardear áreas civis movimentadas das repúblicas de Donbass, matando ainda mais civis. E não só isso, os hipócritas do Ocidente tão interessados em acusar a Rússia de crimes de guerra (que eles nunca podem provar e muitas vezes se contradizem), mas a mídia e as manadas de trolls trabalham em sintonia para iluminar o público e encobrir os crimes de guerra da Ucrânia.

*Eva Bartlett é uma jornalista independente canadense. Ela passou anos no terreno cobrindo zonas de conflito no Oriente Médio, especialmente na Síria e na Palestina (onde morou por quase quatro anos).

Nenhum comentário