Manchetes do dia

Exposição do Classconscious (Austrália/EUA) no painel: Os marxistas falam sobre o conflito entre a Rússia e o Imperialismo


Exposição de Robert Montgomery (aos 16:42 minutos) do grupo Classconscious, no painel: Os marxistas falam sobre o conflito entre a Rússia e o Imperialismo.


1. Texto em Português.

2. Text in English.



1. Texto em Português.


Boa tarde camaradas e amigos.

Estou feliz por me juntar a vocês neste momento histórico auspicioso.

Tenho idade suficiente para me lembrar da crise dos mísseis cubanos quase 60 anos atrás, quando todos os adultos da minha vida pensavam que o mundo estava prestes a acabar na nuvem de cogumelo da guerra nuclear. E hoje podemos estar caminhando para essa beira novamente.

Sou Robert Montgomery falando de Rhode Island pelo Classconscious. Somos um pequeno site marxista baseado na Austrália e nos EUA. Nosso conselho editorial de 3 pessoas tem entre nós 70 anos combinados de envolvimento no movimento trotskista. Publicamos trabalhos sobre o caráter da China, a teoria da crise de Marx, a ameaça da guerra e do fascismo, uma história do policiamento, ZeroCovid e resenhas culturais. Todo o nosso material pode ser acessado em classconscious.org.

Para os propósitos de hoje, gostaria de encaminhá-los para nossos dois documentos recentes publicados por Davey Heller e por mim:

*Estabelecendo o recorde direto sobre o imperialismo: Rússia, Ucrânia e EUA

*O imperialismo aproveita o movimento antiguerra para se preparar para a 3ª Guerra Mundial.

Parafraseando esses documentos para manter minhas observações curtas. Em primeiro lugar, vemos os acontecimentos de hoje no contexto da profunda crise do capitalismo mundial. A lei do valor está se afirmando na queda das taxas de lucro de longo prazo em escala mundial e, mais agudamente, nos EUA. A sede de maior lucratividade se transformou em uma fome voraz levando os EUA e seus aliados a redividir o mundo em busca de mercados ampliados para a exportação de seu capital e para capturar para si uma maior parcela da mais-valia disponível.

Em resposta à sua crise de valorização, o capitalismo dos EUA está intensificando seu ataque à classe trabalhadora em casa e no exterior. Hoje está se posicionando geopoliticamente contra a Rússia. O objetivo da guerra é reduzir a Rússia ao status neocolonial para abrir seus vastos recursos minerais, agrícolas e energéticos à exploração desenfreada pelo capital imperialista.

A contínua mobilização do poder militar e econômico contra a Rússia é uma reminiscência da Operação Nazista Barbarossa há 80 anos. a guerra regional na Ucrânia não pode ser separada do esforço dos EUA para esmagar seus rivais estratégicos, Rússia e China, a fim de manter sua hegemonia econômica global em declínio.

A hegemonia dos EUA está ameaçada, tanto por suas próprias contradições internas quanto pela crescente força econômica da China. Recentemente, os EUA foram bloqueados por uma combinação de estados semicoloniais e menos capitalistas agindo em conjunto, como vimos na Síria. Tendo falhado em sua guerra de mudança de regime na Síria devido em grande parte à assistência militar russa e iraniana, os EUA querem remover o espinho russo de seu lado.

A lógica interna dos eventos está se desdobrando em direção a um confronto militar maciço entre a OTAN e a Rússia que poderia atrair todas as grandes potências e resultar em um holocausto nuclear.

O conflito na Ucrânia não é entre a “pobre pequena Ucrânia” e a Rússia. Para ser claro: esta é uma guerra por procuração entre o imperialismo liderado pelos EUA e a Rússia. Vemos mais uma vez, como vimos há um século, o caso de um movimento pacifista que apoia a guerra imperialista. A demanda por “ação para salvar a Ucrânia” dá cobertura política à guerra, assim como todos os grupos antiguerra que fazem campanha sob a bandeira do “não a Moscou e à OTAN”.

Exigir a paz na Ucrânia é simplesmente juntar-se ao coro exigindo que a Rússia e a China se submetam à Pax Americana e se abram ao saque desenfreado de seus recursos materiais, naturais e humanos. A suposição equivocada do movimento pela paz é que a guerra pode ser evitada permitindo que o imperialismo norte-americano e ocidental explore os recursos do mundo sem limites. Isso é uma ilusão.

A única verdadeira posição anti-guerra é lutar contra o esforço do imperialismo dos EUA para dominar o globo, inclusive cercando e desmembrando a Rússia, e apoiar o direito de todos os países na mira do imperialismo de se defenderem. Estendemos apoio crítico à invasão da Ucrânia pela Rússia. Isso porque classificamos a Rússia, não como imperialista, mas sim como um regime burguês nacionalista e dependente em conflito com o imperialismo. Apoiamos o direito da Rússia de defender sua soberania nacional contra a agressão imperialista em suas fronteiras, incluindo o uso da força militar.

Estendemos apoio militar, mas não político, ao regime reacionário e nacionalista de Putin. Apelamos à classe trabalhadora russa para expulsar Putin e os oligarcas que ele representa. Se a Rússia for derrotada ou capitular ao imperialismo, isso significará uma “cadeia dupla” para a classe trabalhadora, que trabalha sob a dupla dominação de sua própria classe dominante e do capital imperialista.

A mesma faca imperialista na garganta da Rússia ameaça ao mesmo tempo a Nicarágua, a Venezuela e Cuba. O alvo final dessa erupção militar e econômica é a China. E como sempre a faca do açougueiro está na garganta de todas as massas trabalhadoras do Sul Global.

Acreditamos que uma vitória militar da Rússia contra o imperialismo seria um golpe contra o imperialismo em todos os lugares. Suspeito que esses sentimentos sejam compartilhados por aqueles aqui que concordam com os altos riscos envolvidos na guerra por procuração do imperialismo na Ucrânia.

Então, mais uma vez a pergunta está diante de nós: “O que deve ser feito?” Ou, inversamente, “O que deve ser desfeito?” — Como todos os grupos oportunistas podres se ajoelham diante da opinião pública burguesa; - E como eles dão seu apoio objetivo ao ataque imperialista contra a Rússia, precisamos perguntar,

“É hora de um Manifesto Zimmerwald para o século 21?” Apesar da ofensiva contínua contra a Rússia, é nossa esperança que possamos avançar em uma frente única de todas as forças revolucionárias para pedir a derrota do imperialismo sem qualificação ou equívoco. Pelo fim de toda guerra, violência e fascismo e por uma vida abundante para todos, Avante para a revolução socialista mundial!


2. Text in English.

Good afternoon comrades and friends. I am glad to join with you at this auspicious historical moment. I’m old enough to remember The Cuban Missile Crisis almost 60 years ago when all the adults in my life thought the world was about to end in the mushroom cloud of nuclear war. And today we may be heading towards that brink again. I’m Robert montgomery speaking from Rhode Island for classconscious. We are a small Marxist website based in Australia and the US. Our 3 person editorial board has between us a combined 70 years of involvement in the Trotskyist movement. We have published work on the character of China, Marx’s theory of crisis, the threat of war and fascism, a history of policing, ZeroCovid, and cultural reviews. All our material can be accessed at classconscious.org.

For todays purposes I would refer you to our two recent documents published by Davey Heller and myself:

*Setting the Record Straight on Imperialism: Russia, Ukraine and the US
*Imperialism Harnesses the antiwar movement to prepare for World War 3. 

I’ll be paraphrasing these documents to keep my remarks short. 

Firstly, we see todays events within the context of the deep crisis of world capitalism. The law of value is asserting itself in longterm falling rates of profit on a world scale, and most acutely, in the US. The thirst for increased profitability has turned into a ravenous hunger driving the US and its allies to redivide the world in search of expanded markets for the export of its capital and to capture for itself an increased the share of available surplus value. In response to its crisis of valorization US capitalism is intensifying its attack on the working class at home and abroad. Today it is positioning itself geopolitically against Russia. The aim of the war is to reduce Russia to neocolonial status to open its vast mineral, agricultural and energy resources to unhindered exploitation by imperialist capital. The ongoing mobilization of military and economic power against Russia is reminiscent of the Nazi Operation Barbarossa 80 years ago.

The regional war in Ukraine cannot be separated from the the US drive to crush both its strategic rivals, Russia and China in order to maintain its declining global economic hegemony.

US hegemony is under threat, both from its own internal contradictions and from the rising economic strength of China. 

Recently, the US has been stymied by a combination of semi-colonial and lesser capitalist states acting in concert as we saw in Syria. Having failed in its regime change war in Syria due largely to Russian and Iranian military assistance, the US wants to remove the Russian thorn from its side. 

The inner logic of events is unfolding towards a massive military confrontation between NATO and Russia that could draw in all major powers and result in a nuclear holocaust. The conflict in Ukraine is not between “poor little Ukraine” and Russia. To be clear: this is a proxy war between imperialism led by the US, and Russia. 

We see once again, as we did a century ago, the case of a peace movement that supports imperialist war.

The demand for “action so save Ukraine” gives political cover to the war, as do all the anti-war groups campaigning under the banner of “no to Moscow and NATO”. 

To demand peace in Ukraine is simply to join the chorus demanding that Russia and China submit to the Pax Americana, and open themselves up to the untrammeled looting of their material, natural and Human Resources. The mistaken assumption of the peace movement is that war can be avoided by allowing US and Western imperialism to exploit the world’s resources without limit. This is a delusion. The only real anti-war position is to fight US imperialism’s effort to dominate the globe, including by encircling and dismembering Russia, and to support the right of all countries in the cross hairs of imperialism to defend themselves.

 We extend critical support to Russia’s invasion of Ukraine. This is because we classify Russia, not as imperialist, but rather as a nationalist and dependent bourgeois regime in conflict with imperialism. We support Russia’s right to defend its national sovereignty against imperialist aggression on its borders, up to and including the use of military force. We extend military but no political support to the reactionary, nationalist Putin regime. We call for the Russian working class to oust Putin and the oligarchs he represents. Should Russia be defeated by, or capitulate to imperialism, it will mean a “double chain” for the working class as it toils under the dual domination of its own ruling class, and that of imperialist capital. 

The same imperialist knife at the throat of Russia is at the same time also menacing Nicaragua, Venezuela and Cuba. The ultimate target of this military and economic eruption is China. And as always the butcher’s knife is at the throats of all the working masses of the Global South. 

We believe a military victory by Russia against imperialism would be a blow against imperialism everywhere. 

I suspect that these sentiments are shared by those here who agree on the high stakes involved in imperialism’s proxy war in Ukraine. So, once again the question is before us: “What is to be done?” Or conversely, “What must be Undone?”

— As all the rotten opportunist groups bend the knee before bourgeois public opinion; 

— And as they give their objective support to the imperialist onslaught against Russia we need to ask, “Is it time for a A Zimmerwald Manifesto for the 21st century?”

In the teeth of the ongoing onslaught against Russia it is our hope that we can move forward in a united front of all revolutionary forces to call for the defeat of imperialism without qualification or equivocation. 

For an end to all war, violence and fascism and for an abundant life for all, Forward to the world socialist revolution!

Nenhum comentário