Manchetes do dia

AUKUS: EUA tentam impedir seu próprio declínio com uma aliança imperialista anti-China

AUKUS: EUA tentam impedir seu próprio declínio com uma nova aliança étnica imperialista anti-China

Nova ameaça de guerra nuclear imperialista em meio ao perigo climático!

Declaração do CLQI sobre AUKUS

Conferência de imprensa de lançamento da AUKUS, 15 de setembro

Logo após os EUA reduzirem suas perdas no Afeganistão em agosto, vem a formação do AUKUS, uma nova aliança trilateral entre os Estados Unidos, Grã-Bretanha e Austrália, com o objetivo transparente de atingir a China na região da Ásia-Pacífico. Isso traz uma potente ameaça de guerra para o futuro, a fim de tentar preservar o domínio mundial dos Estados Unidos, e desmascara completamente a extrema farsa que está sendo defendida por Biden et al sobre fazer algo a respeito da mudança climática. De fato, eles preferem uma boa dose de chantagem nuclear agressiva com a ameaça de um holocausto nuclear. 
Assim como o execrável líder imperialista do Partido Trabalhista britânico, Starmer, que saudou isso na Câmara dos Comuns e parecia ainda mais entusiasmado com isso do que o próprio Boris Johnson. Outro entusiasmado para "lutar pela sobrevivência humana e ecológica".

Esta é evidentemente a segunda parte do plano de Biden para reorientar o imperialismo dos EUA para o Extremo Oriente para enfrentar o que vê como seu adversário mais importante em nível global. Acima de tudo, parece ser um pacto de submarino nuclear, e a Austrália construirá uma nova frota de submarinos com propulsão nuclear em Adelaide com tecnologia principalmente dos EUA. Aparentemente, os submarinos estarão armados com mísseis de longo alcance, mas não com armas nucleares, já que isso seria uma grande violação do Tratado de Não-Proliferação. Mesmo assim, o objetivo é atormentar a China com atividades submarinas em sua própria costa e exercer pressão militar. I
sso pode estar funcionando muito antes do que o cronograma de construção do AUKUS sugere porque a Austrália alugará submarinos nucleares dos EUA e potencialmente britânicos até que sua própria frota, fabricada pelos EUA, esteja pronta.

Este anúncio abafou, momentaneamente, os gritos de Trump sobre os revezes da retirada abrupta de Biden do Afeganistão no mês passado. Na verdade, o movimento de Biden parece os do próprio Trump, e provavelmente será calculado para confundir seus críticos de extrema direita - roubando algumas de seus rompantes e se apropriando de aspectos da estratégia que eles gostariam de executar - antes que eles tivessem a chance de tentar isso para fora, para que Biden e os democratas possam apresentá-lo como ideia sua. Mas esta não é apenas uma manobra de triangulação cínica por motivos domésticos.

O fato é que os EUA podem ser o imperialismo hegemonico, mas sua hegemonia está em declínio. Um importante índice de declínio dos EUA é que eles foram até mesmo humilhados no terreno econômico por sua economia se apoiar nos investimentos chineses quando seu sistema bancário oscilou à beira do colapso em 2008-9. Uma situação insuportável para uma hegemonia imperialista mundial! As guerras e conflitos recentes no Oriente Médio exacerbaram e destacaram seu declínio. Parte da retórica esporádica de Trump sobre tirar os EUA de conflitos no Oriente Médio e no mundo muçulmano - junto com sua proibição muçulmana da imigração - também refletiu um desejo dos EUA de reduzir suas perdas em tais conflitos e se concentrar na China como o principal inimigo.

China e Rússia controlam a Heartland ("Área Pivot" ou Land Power) e disputam com vantagens a Rimland, e também a África e parte da América Latina. A AUKUS é uma reação distracionista, em relação ao humilhante retirada do Afeganistão, e um movimento defensivo de aposta no Poder marítimo (Sea Power) do imperialismo anglo-saxão, cujo domínio recua em todo o globo, apesar de sua relativa superioridade militar.

Biden, que não está tão profundamente envolvido com os sionistas como Trump estava, tem mais liberdade para buscar iniciativas agressivas como AUKUS no mundo mais amplo, fora do foco restritivo que dita a subserviência excessiva ao Lobby. AUKUS, como uma iniciativa geopolítica do Extremo Oriente com um alcance global, pode ser considerada uma expressão mais 'pura' dos interesses atuais do imperialismo dos EUA do que alguns de seus conflitos recentes. Consequentemente, Biden provavelmente será um vencedor nisso no mercado interno, contanto que nada saia espetacularmente errado no curto prazo.

O discurso de Biden sobre a retirada do Afeganistão deixou bem claro que o objetivo da retirada era limpar o convés para uma nova investida contra a China e a Rússia:

“Estamos em uma competição acirrada com a China. Lidamos com os desafios da Rússia de muitas maneiras. Estamos enfrentando ataques cibernéticos e proliferação nuclear. Devemos fortalecer a competitividade dos Estados Unidos para enfrentar esses novos desafios na competição do século 21.

Podemos atacar de ambos os lados: enquanto lutamos contra o terrorismo, enquanto lidamos com ameaças atuais e novas que continuarão a existir no futuro. Nessa competição, China e Rússia estão ansiosos para deixar os Estados Unidos caírem no atoleiro do Afeganistão por mais uma década.

Ao voltarmos para a página que norteou a política externa de nosso país nas últimas duas décadas, devemos aprender com nossos erros. Para mim, existem duas lições cruciais: primeiro, devemos definir tarefas com objetivos claros que podem ser alcançados, e não objetivos que nunca poderemos alcançar. Em segundo lugar, devemos claramente nos concentrar nos interesses de segurança nacional mais fundamentais da América.

Esta decisão sobre o Afeganistão não é apenas sobre o Afeganistão. Trata-se do fim de uma grande operação militar destinada a remodelar outros países ”. Transcrição de https://min.news/en/military/6b4ee937cdec529099afa07aefc529cc.html

A formação do AUKUS atraiu uma forte repreensão do Ministro das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, em 16 de setembro:

“A cooperação de submarinos nucleares entre os EUA, o Reino Unido e a Austrália minou seriamente a paz e a estabilidade regionais, intensificou a corrida armamentista e minou os esforços internacionais de não proliferação. A exportação de tecnologia de submarino nuclear de alta sensibilidade para a Austrália pelos EUA e Reino Unido prova mais uma vez que eles estão usando as exportações nucleares como uma ferramenta para o jogo geopolítico e adotando padrões duplos. Isso é extremamente irresponsável. Como um Estado sem armas nucleares nos termos do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (NPT) e parte do Tratado de Zona Livre Nuclear do Pacífico Sul (SPNFZ), conhecido como Tratado de Rarotonga, a Austrália está agora introduzindo a tecnologia de submarino nuclear de valor estratégico e militar. … ”https://www.fmprc.gov.cn/mfa_eng/xwfw_665399/s2510_665401/2511_665403/t1907498.shtml

Mas o que também é bastante sinistro é que todos os três estados envolvidos no AUKUS têm um núcleo étnico central comum. Que é um novo desenvolvimento na história recente. Todos os componentes desta aliança têm grandes registros de hostilidade e atrocidades contra os asiáticos orientais e o povo chinês em particular. O racismo de tipo “Yellow Peril” (o perigo amarelo) [retradado em muitas obras como a que se vê ao lado] é antigo e foi reativado nos Estados Unidos de Trump / Biden em repetidas tentativas de culpar a China - onde a doença pode (ou não) ter se originado - pela Pandemia de Covid-19. O racismo que têm o caráter de propaganda de guerra racista. 
O histórico da Grã-Bretanha de colonizar a China, das guerras do ópio (1) em diante é evidente, e o nacionalismo da "Austrália Branca" desde o início da Austrália como uma colônia branca genocida se definiu contra as massas da Ásia ao Norte, sendo a China um dos adversários é agora explorado pelo imperialismo anglo-saxão.

E, claro, a recente evolução política da Grã-Bretanha sob o regime Brexit de Johnson foi de xenofobia e racismo oficiais galopantes. Os Brexiters gostariam de expandir a marinha (retomando nostalgicamente a orientação de Sea Power, poder marítimo, e a política de pirataria que promoveu a acumulação originária de capitais que alavancou o capitalismo inglês) e 'governar as ondas', mas não têm esperança de nada do tipo, exceto como lacaios dos Estados Unidos.

Frota de submarinos da China confronta guerreiros imperialistas

Apesar das afirmações falsas desses imperialistas de que estão se opondo à "intimidação" chinesa de estados como o Vietnã e as Filipinas, que têm disputas com a China na região do Mar da China Meridional, todos sabem que se trata de conflitos explorados e potenciados pelos EUA, como hegemonia imperialista mundial, com seus estados lacaios, tentando reafirmar sua hegemonia. A composição anglo-saxônica desse bloco é provocativa.

O aspecto étnico do AUKUS causou grande mal-estar na Europa, particularmente na França. No conflito há o pretexto material, mas há mais do que isso nos sentimentos expressos. Para fazer parte do novo pacto de submarino nuclear, a Austrália suspendeu um acordo de $ 66 bilhões de dólares com a França para fornecer 12 submarinos não nucleares movidos a diesel. Mas a raiva francesa não é apenas sobre o cancelamento deste negócio de submarinos. O presidente francês Macron usou o dramático artifício diplomático de chamar de volta os embaixadores franceses de Washington e Canberra.

O Ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves le Drian, disse o seguinte sobre os EUA e a Austrália:

“É por isso que digo que tem havido duplicidade, desprezo e mentiras, e quando você tem um aliado da estatura da França, você não o trata assim ... Quando vemos o presidente dos EUA com o primeiro-ministro australiano anunciando um novo acordo, com Boris Johnson, a quebra de confiança é profunda. Em uma aliança real, você fala um com o outro, você não esconde as coisas, você respeita a outra parte, e é por isso que esta é uma crise real. ” (The Guardian, 18 de setembro)

Ainda mais desprezo foi reservado para Johnson. Outro oficial francês declarou:

“O Reino Unido acompanhou esta operação de forma oportunista. Não precisamos consultar nosso embaixador em Paris para saber o que pensar e quais conclusões tirar disso. ” (ibid).

L'Albion Perfide (2) é retomado como lido. E um ex-embaixador britânico na França acrescentou:

“Há um profundo sentimento de traição na França porque este não era apenas um contrato de venda de armas, era a França estabelecendo uma parceria estratégica com a Austrália e os australianos agora jogaram isso fora e negociaram nas costas da França com dois aliados da OTAN, os EUA e o Reino Unido, para substituí-lo por um contrato completamente diferente.

“Para os franceses, isso parece uma total falta de confiança entre os aliados e põe em dúvida para que serve a Otan. Isso coloca uma grande fenda no meio da aliança da Otan ... A Grã-Bretanha precisa de uma aliança da Otan em funcionamento. Acho que as pessoas subestimaram o impacto que isso teria na França e como isso pareceria uma humilhação e traição em um ano em que o presidente Macron está concorrendo às eleições em uma disputa acirrada com a extrema direita ”. ibid

A razão pela qual os EUA estão inclinados a fazer coisas como essa que minam a OTAN tem causas que remontam à Guerra Fria. A recusa da França e particularmente da Alemanha, por exemplo, de se inscrever totalmente para a cruzada nuclear de Reagan e Thatcher no início dos anos 1980 foi simplesmente porque os principais países da Europa têm sólido interesse material em um grau de colaboração com países como a URSS, e a atual pós-soviética Rússia, que resiste às aspirações dos EUA de dominar o mundo. Coisas como fontes abundantes e baratas de energia da Rússia são de particular importância. Eles preferiram minar os estados operários por meio da penetração econômica do que a crua pressão militar. Hoje, com a Rússia capitalista pós-soviética, que atualmente é aliada de fato com a China capitalista pós-maoísta em um bloco não imperialista informal, a França está ainda menos interessado em participar do jogo da chantagem atômica.

Há uma tendência de marginalizar a OTAN no teatro europeu. Dado o crescente poder econômico e militar da China, isso tende a afastar da Europa o teatro de operações de um conflito potencial desse tipo, o que mina a razão de ser da OTAN. O declínio dos EUA torna mais difícil pressionar outras potências para se alinharem e, assim, a OTAN torna-se menos central e pode ser consideravelmente minada como parece ser com a formação da AUKUS e Perfídia anglo-saxônica com a França. Isso é acentuado pelos novos projetos de infraestrutura da China na Ásia, como Belt and Road, que parecem estar criando um contrapeso à hegemonia dos EUA com ainda mais incentivos para algumas das potências europeias protegerem suas apostas nas tentativas cada vez mais desesperadas de Washington de preservar sua posição. Além do porta-aviões insubmergível de Washington, centralizado em Londres, é claro.

A evolução dessas contradições não vai parar por aqui, e ainda está no início, mas a posição dos marxistas a respeito é direta: nós nos opomos ao AUKUS com unhas e dentes, como nos opomos à OTAN e todas as outras alianças imperialistas desse tipo. Não somos a favor da preservação da OTAN, se esta se revelar a força desintegradora que alguns supõem, mas igualmente opomo-nos a uma suposta aliança de substituição. Somos pela defesa da China e de outros países não imperialistas contra o impulso de guerra que está evidentemente por trás disso e pela derrota de AUKUS em qualquer conflito futuro com os estados não imperialistas ameaçados por essa aliança militar. É também um sinal de que, quando a civilização humana está sendo colocada em perigo crescente pela mudança climática induzida pelo capitalismo, a verdadeira prioridade do imperialismo é a hegemonia e sua própria sobrevivência, ao custo de incontáveis ​​mortes por guerras e contra-revoluções.

Nota

1. Em 1830, os ingleses obtiveram exclusividade das operações comerciais no porto de Cantão. A China exportava seda, chá e porcelana, então em moda no continente europeu, enquanto a Grã-Bretanha sofria um grande défice comercial em relação à China. Para compensar suas perdas econômicas, a Grã-Bretanha traficava o ópio indiano para o Império do Meio (China). O governo de Pequim resolveu proibir o tráfico de ópio, o que levou a coroa britânica a lançar mão de sua força militar. Foi a Guerra colonialista da Grã Bretanha por impor as drogas sobre a China.


2. " Perfidious Albion " é uma frase pejorativa usada no contexto da diplomacia de relações internacionais para se referir a atos de truques diplomáticos, duplicidade, traição e, portanto, infidelidade (com relação a promessas feitas ou alianças formadas com outras nações) por monarcas ou governos do Reino Unido (ou da Inglaterra antes de 1707) em sua busca do interesse próprio. Perfídia significa aquele que não guarda sua fé ou palavra (da palavra latina perfidia ), enquanto Albion é um nome antigo para designar a Grã-Bretanha .Um dos motivos para o termo ser atribuído a fama traiçoeira da diplomacia britânica se deve a que nos primeiros dias da Revolução Francesa, quando a revolução visava estabelecer uma monarquia constitucional liberal inspirada nos moldes britânicos, muitos na Grã-Bretanha olhavam para a Revolução Francesa com moderada indiferença. No entanto, após a virada da revolução em favor dos republicanos com a derrubada e execução de Luís XVI, a Grã-Bretanha aliou-se às outras monarquias da Europa contra a Revolução na França. Isso foi visto pelos revolucionários na França como uma traição "pérfida".

Nenhum comentário